Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Cultura: «Nesta profissão há sempre períodos em que as pessoas não têm trabalho. Passámos todos por aí»

O carácter intermitente do trabalho realizado pelas pessoas ligadas às artes, não só os criadores e artistas, que pela sua visibilidade são mais reconhecidos pelo público, mas também o dos profissionais atrás do palco, marcou a intervenção do ator e encenador Rui Spranger na 16.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura, centrada no tema “A condição precária”, que decorreu a 28 de maio, em Fátima.

«Não tenhamos dúvidas. [Mesmo] as pessoas que são famosas e que vemos na televisão passam por períodos de desemprego. Nesta profissão há sempre períodos em que as pessoas não têm trabalho. Recentemente morreu uma grande senhora do teatro, Eunice Muñoz; nos anos 70 estava sem trabalho. Passámos todos por aí», afirmou.

[«A precariedade] é um assunto que tenho vivido na pele, tenho acompanhado outros a viver na pele», apontou no início do seu testemunho, antes de se referir à «instabilidade» associada à imprevisibilidade na atividade laboral, que tornaram Rui Spranger um «biscateiro», com atividade irregular nas Finanças e na Segurança Social - «abre atividade, fecha atividade, abre atividade, fecha atividade». «Quando chegarmos à idade da reforma, estão a ver a miséria em que vamos estar.»

Os mais sacrificados, considera, nem são os atores, mas as pessoas ligadas ao circo, que vivem uma situação de abandono «absolutamente trágico», não obstante as plataformas de iniciativa particular que entretanto foram criadas para dar alimento a quem não tem como o comprar.

«A pandemia acabou por ser, talvez, o futuro o dirá, a pequena grande salvação para o setor da cultura, porque de repente o país ganhou consciência da situação em que nós vivíamos», ainda que continua a haver muitos profissionais que não recuperam das consequências da interrupção de projetos culturais, que não se resumem à falta de dinheiro, mas estendem-se a «agravantes do ponto de vista psicológico e de consumos».









 

Rui Jorge Martins
Imagem: Rui Spranger | D.R.
Publicado em 09.06.2022

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos