Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Santidade não é teoria, mas exposição radical a Jesus do que somos

No seu primeiro grande encontro com Jesus, Pedro diz-lhe: «Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador» (Lucas 5,8).

Todos estamos feridos, hesitantes, incompletos. Cada um de nós traz em si uma quantidade incrível de deformações, de violência interior mais ou menos espalhada ou concentrada, uma fragilidade sempre presente. E os mecanismos de autodefesa e de culpabilização só nos isolam ainda mais.

Mas a santidade, explicará Jesus a Pedro, não é a impecabilidade, mas o movimento profundo dentro de nós que nos faz voltar para um outro, para o Todo Outro, e que se deixa atravessar por uma experiência de reconhecimento e misericórdia, como o vitral na penumbra da catedral que se deixa atravessar pela luz.

Por isso, o nosso pedido deverá ser, antes: «Senhor, aproxima-te de mim, porque sou um pecador», ousando aquela forma necessária e rara de audácia que é a fé.

O Novo Testamento ensina-lo de muitas maneiras: a santidade não é uma fórmula ou uma teoria. A santidade é a exposição radical a Jesus daquilo que somos. Na realidade, é a santidade de Deus que, em Jesus Cristo, chega até nós, e de uma maneira real e incarnada.

Por isso, uma das orações evangélicas mais belas é a de uma mulher anónima que repetia no coração: «Se eu conseguisse ao menos tocar o seu manto!...» (Mateus 9,21).


 

Card. José Tolentino Mendonça
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: "Mulher toca a orla da veste de Jesus" (det.) | Catacumbas de Marcelino e Pedro | Roma, Itália
Publicado em 01.11.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos