Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Jornada Nacional da Pastoral da Cultura desvela “A metade do céu”

A exposição “A metade do céu”, com obras de 60 mulheres artistas, patente até 23 de junho no museu Árpád Szenes-Vieira da Silva, em Lisboa, vai estar em foco na Jornada Nacional da Pastoral da Cultura.

O encontro sobre o tema “A mulher na sociedade e na Igreja”, que decorre em Fátima no próximo sábado, 1 de junho, contará com a exibição de um filme sobre o projeto expositivo de Pedro Cabrita Reis.

Após o vídeo, serão projetadas imagens das obras, e o diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, José Carlos Seabra Pereira, também membro do Conselho de Patronos da fundação dedicada aos dois artistas, desenhará as linhas principais da mostra.



Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.


Pedro Cabrita Reis selecionou desenho, pintura, escultura, instalação, fotografia e vídeo desde o Barroco, com Josefa de Óbidos, até à atualidade, além de trabalhos de Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992) que não são mostrados habitualmente.

Paula Rego, Helena Almeida, Lourdes Castro, Menez e Graça Morais, Ana Hatherly, Adriana Molder, Filipa César, Ana Jotta, Joana Vasconcelos, Ângela Ferreira, Fernanda Fragateiro, Graça Costa Cabral, Leonor Antunes, Sofia Areal e Clara Menéres são algumas das artistas representadas.

«Há uma atenção redobrada aos debates da condição da mulher na sociedade contemporânea, e pareceu-me oportuno fazer uma exposição estrita e exclusivamente baseada em artistas e obras de mulheres», declarou Pedro Cabrita Reis à agência Lusa.



Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.


A exposição pretende-se «liberta de qualquer condicionalismo temático, desprovida de uma narrativa curatorial e que se quer alheia ao artifício discursivo».

«Todos os artistas têm uma visibilidade própria e um território seu, sejam femininos, masculinos, católicos, judeus, muçulmanos, brancos, negros. A única coisa que interessa é a obra, e a forma como ajuda a conhecer melhor a nós, e ao mundo em que vivemos» acrescentou o curador.

Inaugurado há 25 anos, o museu Árpád Szenes-Vieira da Silva apresenta exposições com a obra do casal ou de artistas com os quais tiveram algum tipo de ligação.


Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

Imagem Exposição "A metade do céu" | D.R.

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 26.05.2019

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos