Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Ponta Delgada

Catarina Branco sucede a Urbano em instalação de arte contemporânea

As peças “Piece of Me” e “Em Viagem”, de Catarina Branco, vão suceder à obra “Kenosis”, de Urbano, instalada desde junho na igreja de S. José, em Ponta Delgada, aquando da inauguração do projeto “Indigências”.

Em nota enviada ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, a paróquia anunciou que a sessão de apresentação das peças da artista micaelense decorre esta sexta-feira, às 19h00.

«A amplitude e profundidade» do trabalho de Catarina Branco, «jovem e promissora artista», segue «a geografia de um imaginário popular, estabelecendo relações internas e coesas, que cruzam a abstração», refere o texto.

A sua obra «homenageia a graciosidade do povo e, na sua complexa gramática criativa, anuncia por inteiro um talento emergido no contexto contemporâneo da insularidade açoriana», acrescenta a nota.

“Piece of Me” e “Em Viagem” estarão em exposição durante agosto e setembro, procurando «catalizar os poderes sagrados condensados no espaço ao culto do divino».

A sessão inclui um recital de aproximadamente 20 minutos «que percorre mais de quatro séculos da história da música europeia, dando simultaneamente a conhecer as possibilidades tímbricas do órgão da igreja de São José», construído em 1797 pelo organeiro português Joaquim António Peres Fontanes.

Isabel Albergaria interpretará obras de Girolamo Frescobaldi (1583-1643), Johann Sebastian Bach (1685-1750), Carlos Seixas (1704-1742), Cécile Chaminade (1857-1944) e Flor Peeters (1903-1986).

O padre Duarte Melo, pároco de S. José, em S. Miguel, diocese de Angra, explicou ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura que o projeto “Indigências” tem como prioridade contribuir para que «a arte seja lugar e espaço de diálogo e de denúncia, a partir das realidades da pobreza e das misérias que povoam o Campo de S. Francisco», onde se situa a igreja.

A iniciativa «pretende chamar a atenção da sociedade que essa realidade existe e que os cristãos e as pessoas de boa vontade devem agir a partir da beleza, da arte e das diversas gramáticas estéticas que durante um ano e meio vão ser mostradas nos espaços da igreja», acrescentou.

A entrevista integral ao diretor do Museu Carlos Machado, em Ponta Delgada, está disponível no espaço “Artigos relacionados”, logo após o fim deste texto.

 

Imagem

 

Rui Jorge Martins
© SNPC | 30.07.12

Redes sociais, e-mail, imprimir

Imagem
Catarina Branco

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página

 

 

 

2012: Nuno Teotónio Pereira. Conheça os distinguidos das edições anteriores.
Leia a última edição do Observatório da Cultura e os números anteriores.