Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Duas horas que fazem bem à alma: “Green book” vence Óscar para melhor filme

O que é o “Negro motorista green book”? Um manual para as férias de pessoas de cor. Nos anos 60 elencava as hospedarias e locais onde se podia relaxar sem entrar em contracto com os brancos. Era indispensável, especialmente para os automobilistas que queriam andar pelo sul profundo dos EUA: a América racista, que ainda hoje rejeita a diferença, a América do Ku Klux Klan, e Charlottesville, contra a qual o cineasta Spike Lee nunca deixará de se revoltar.

Volta-se atrás no tempo, a 1962, para interrogar o presente. Estamos no início da década. O 68 está longe, o ser humano olha para a lua a milhares de quilómetros de distância. Neil Armstrong acabou de chegar à agência espacial NASA, os irmãos Kennedy procuram construir um mundo novo, a guerra no Vietname está prestes a acirrar-se.

Em “Green book – Um guia para a vida”, os EUA são descritos como um país ancorado nas velhas tradições, nas tradições de outros tempos. Louisiana, Mississippi, Geórgia parecem ter esquecido a dignidade humana. Brancos e negros não podem comer à mesma mesa, usar as mesmas casas de banho, beber um copo no mesmo bar. Martin Luther King lutava pela paridade, e foi assassinado seis anos depois. O percurso para a igualdade ainda era longo.

Mas alguns iam já para além das aparências, como o porteiro americano Tony Lip e o pianista afroamericano Don Shirley. Da sua amizade nasce “Green book”. Parece que estamos a rever “Missa Daisy”, com os papéis invertidos. Ao volante está Viggo Mortensen (no lugar de Morgan Freeman), enquanto que o seu rico empregador é Maershala Ali (no clássico de 1989, no banco traseiro, estava Jessica Tendy), vencedor do Óscar para melhor ator secundário. O artista e o homem da estrada, os opostos que se encontram para depois se atraírem e criarem uma forte ligação.

Lip e Shirley estudam-se, conhecem-se, tornam-se melhores, num filme “on the road” através das hipocrisias e discriminações. Não faltam, naturalmente, os contrastes, ligados às suas distintas educações: de um lado as boas maneiras, do outro a violência como única solução para cada disputa. Mas à medida que a paisagem do lado de lá das janelas continua a mudar (deserto, bosques, cidades, regiões, campos e casas de proprietários ricos), os dois aprendem a compreender-se, a comunicar. «A estrada é vida”, escrevia Jack Kerouac em “On the road”.

Para os protagonistas, não conta a meta, mas a viagem, não só geográfica. Percorrem grandes distâncias, por alguns meses partilham cada instante do dia. Compreendem a importância do respeito e da partilha. O realizador, Peter Farrelly, abandona os tons da comédia demencial (“Doidos por Mary”, “Antes só que mal casado”, “Doidos à solta, de novo”) para encenar uma narrativa humana, repleta de sentimento, com um par de atores de grande talento. Um filme que faz bem à alma.

“Green book” ganhou também o Óscar para melhor argumento original (Nick Vallelonga, Brian Hayes Currie, Peter Farrelly). Tinha sido nomeado para mais duas estatuetas: melhor ator principal (Viggo Mortensen) e melhor montagem.









 

Gian Luca Pisacane
In Il Cinematografo
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: D.R.
Publicado em 25.02.2019

 

Título: Green book - Um guia para a vida
Realização: Peter Farrelly
Interpretação: Viggo Mortensen, Mahershala Ali, Linda Cardellini, Don Stark, Sebastian Maniscalco
Género: Drama, comédia
Origem / Ano: EUA / 2018
Duração: 130 min.
Classificação etária: M/12
Estreia em Portugal: 24.1.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos