Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Igreja pode ser uma minoria, mas nunca se pode resignar, afirma papa

Igreja pode ser uma minoria, mas nunca se pode resignar, afirma papa

Imagem gorchittza2012/Bigstock.com

O papa vincou hoje que os católicos, ainda que sejam cada vez menos, nunca se podem demitir nem desistir da sua identidade profunda, que é a de refrescarem a sociedade com as suas convicções.

«Poucos sim, em minoria sim, idosos sim, resignados não», declarou Francisco no encontro com padres, religiosos e religiosas da arquidiocese italiana de Milão, que visita este sábado.

A palavra «minoria» acompanha «normalmente» um «mau sentimento», a «resignação»: «Sem nos darmos conta, de cada vez que pensamos ou constatamos que somos poucos, ou em muitos casos idosos, que experimentamos o peso, a fragilidade, mais do que o esplendor, o nosso espírito começa a ser corroído pela resignação».

«Quando se fica resignado, vivemos com o imaginário de um passado glorioso que, longe de despertar o carisma inicial, envolve-nos cada vez mais numa espiral de peso existencial», pelo que, para o contrariar, é preciso «revisitar as origens», tornando presente uma memória que salva de «quaisquer imaginações gloriosas mas irreais do passado».

Com efeito, prosseguiu o papa, «a maioria» das pessoas que fundaram congregações religiosas «nunca pensaram em ser uma multidão, ou uma grande maioria», mas a serem «presença jubilosa do Evangelho para os irmãos, a renovar e edificar a Igreja como fermento na massa, como sal e luz do mundo».

«Hoje, a realidade, devido a muitos fatores em que não nos podemos agora deter para analisar, chama-nos a desencadear processos mais do que ocupar espaços, a lutar pela unidade mais do que nos prendermos a conflitos passados, a escutar a realidade, a abrir-nos à massa, ao santo povo fiel de Deus, ao todo eclesial», apontou.

Os cristãos constituem «uma minoria abençoada, que é enviada novamente a fermentar», e por isso, seja qual for o seu número, são chamados a ir «às periferias, às fronteiras».

«Escolhei as periferias, despertai processos, acendei a esperança apagada e enfraquecida de uma sociedade que se tornou insensível à dor dos outros», para que se ser «mais atentos a muitas fragilidades», transformando-as em «espaço de bênção», afirmou o papa.

Sair das igrejas e do conforto dos espaços e ambientes familiares é um imperativo, frisou o papa: «Não esqueçamos que quando se coloca Jesus no meio do seu povo, este encontra a alegria. Sim, só isto poderá restituir-nos a alegria e a esperança, só isto nos salvará de viver numa atitude se sobrevivência».

Antes do encontro na catedral, Francisco sublinhou que a Igreja «não permanece no centro à espera, mas vai ao encontro de todos, nas periferias, vai ao encontro inclusive dos não cristãos, inclusive dos não crentes».

A viagem do papa a Milão começou com a visita a um bairro periférico da cidade, tendo-se seguido o encontro com padres e consagrados. Após a oração do Angelus, neste dia que em que a Igreja evoca a anunciação do anjo a Maria de que ela iria dar Jesus à luz, Francisco encontra-se com reclusos de uma prisão, preside à missa e avista-se com jovens crismandos.



 

SNPC
Publicado em 26.03.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos