Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Umbrais : 10.3.2020

  relâmpago 

Naquele tempo, Jesus falou à multidão e aos discípulos, dizendo: «Na cadeira de Moisés sentaram-se os escribas e os fariseus. Fazei e observai tudo quanto vos disserem, mas não imiteis as suas obras, porque eles dizem e não fazem. Atam fardos pesados e põem-nos aos ombros dos homens, mas eles nem com o dedo os querem mover. Tudo o que fazem é para serem vistos pelos homens: alargam as filactérias e ampliam as borlas; gostam do primeiro lugar nos banquetes e dos primeiros assentos nas sinagogas, das saudações nas praças públicas e que os tratem por “mestres”. Vós, porém, não vos deixeis tratar por “mestres”, porque um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos. Na Terra não chameis a ninguém vosso “pai”, porque um só é o vosso pai, o Pai celeste. Nem vos deixeis tratar por “doutores”, porque um só é o vosso doutor, o Messias. Aquele que for o maior entre vós será o vosso servo. Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado».

Mateus 23, 1-12

Outras leituras do dia: Isaías 1, 10. 16-20; Salmo 49 (50), 8-9. 16bc-17. 21 e 23



  gravetos 

[Deus] é capaz de fazer este milagre, de nos mudar. Não de um dia para o outro, não, não, não! Com o caminho. No caminho. [Deus] é um Pai que fala, é um Pai que nos qer bem. E acompanha-nos. [A única coisa que nos é pedida é] sermos humildes. Se tu deixares que o Senhor te tome pela mão e te leve por diante, ergue-te e cai com Ele, com este gesto de humildade serás exaltado, serás perdoado, será tornado branco.

Leia mais: Pastoral da Cultura.

Papa Francisco



  silêncio 





“Super flumina Babylonis”, Tomás Luis de Victoria (1548-1611)


  crisântemo 

S. Simplício guiou a Igreja no momento em que o mundo estava a viver uma reviravolta epocal: a queda do Império Romano do Ocidente, que ocorre em 476, com a deposição do último imperador. Num tempo de incerteza, Simplício, nascido na atual Itália, e que foi papa de 468 a 483, soube dar unidade e continuidade à vida da Igreja, enfrentando também as consequências, nas Igrejas orientais, da heresia monofisita, apoiada pelo imperador do Oriente. Entre os atos do papa Simplício recordam-se os restauros de algumas igrejas e a salvação da destruição dos mosaicos pagãos da igreja de Santo André, demonstrando que o Evangelho é acolhimento e diálogo.

Matteo Liut, Avvenire



  invisível 

Imagem © Massimo Vitali Mazzoleni London Torino

  brisa 

Eu moro no topo do Grande Rio,
Tu moras na cauda do Grande Rio.
Todos os dias penso em ti;
E embora te não veja,>
Bebemos ambos do Grande Rio.

Irão cessar, estas águas?

Quando terminarão estas saudades?
Tenho um desejo: que o teu coração e o meu
Se mantenham fiéis ao laço do amor.

Li Zhiyi



  tenda 

Imagem Iquitos, Peru | mathes/Bigstock.com

  barro 

Domingos António do Espírito Santo (aos dezassete anos adotaria o apelido Sequeira, pertencente ao seu padrinho) nasceu a 10 de março de 1768, em Lisboa, e veio a falecer em 1836, em Roma. O trabalho “Degolação de S. João Batista” abrir-lhe-á as portas da Academia de S. Lucas, em Roma, para onde tinha partido em 1788. Volta a Portugal cerca de 1795, para entrar poucos anos depois como noviço no Convento das Laveiras. Durante os três anos deste retiro, executou alguns trabalhos, entre os quais “S. Bruno em oração”, que, através da técnica do claro-escuro, claramente expressa o ambiente religioso e contemplativo da Ordem dos Capuchos. Ao abandonar a vida monástica é nomeado pintor da corte. O apoio aos franceses, aquando das invasões napoleónicas, trar-lhe-á alguns dissabores e a perda dessa nomeação. A maturidade da sua arte está expressa nos trabalhos de temática religiosa “Descida da cruz”, “Adoração dos magos”, “Ascensão” e “Juízo final”.

Infopédia



  sentidos 

Imagem "Coroação da Virgem" | Domingos Sequeira | Séc. XIX

  ponte 

Durante a nossa existência terrena somos incitados a conhecer milhares de milhões de coisas, coisas grandes e pequenas. Passamos a vida a aprender, a distinguir, a fazer uma ideia disto e daquilo. Tornamo-nos peritos em aspetos frívolos da existência, grandes entendedores de algo que, na maior parte dos casos, só serve marginalmente. Contudo, não nos preparamos para conhecer a única experiência que todos nós temos de enfrentar, sem excluir ninguém, após o nascimento.

Francesco Lorenzi



 

Edição: Rui Jorge Martins
Imagem de topo: Kazimierz Głaz | Center for Contemporary Art, Toronto, Canadá | D.R.
Publicado em 09.03.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos