Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Rico mas pobre

«Não há dúvida de que nos últimos milénios fizemos enormes progressos. Conseguimos voar como pássaros, nadar debaixo de água como peixes, fomos à lua e enviámos sondas para Marte. Agora somos até capazes de clonar a vida. No entanto, com todo esse progresso, não estamos em paz connosco próprios ou com o mundo à nossa volta. Pelo contrário, o homem nunca foi tão pobre desde que ficou tão rico.»

Tiziano Terzani (1938-2004), a quem devo estas linhas, foi um jornalista e escritor italiano que atravessou várias fronteiras culturais e religiosas, por vezes talvez com algum sincretismo e entusiasmo demasiado inocente.

A ele, todavia, deve sempre reconhecer-se a sinceridade, a autenticidade, a convicção pessoal que inflamou muitos leitores e iluminou a última parábola da sua existência, vivida na dor e na serenidade.

Este parágrafo, que pode ser o sumo da sua lição moral e espiritual, não precisa de comentários, mas apenas de um exame de consciência.

O Ocidente sábio, orgulhoso, poderoso, está a revelar-se cada vez mais faminto, miserável e débil. A razão está precisamente em estar repleto de coisas mas vazio de verdade, bondade, beleza, espiritualidade.

O filósofo alemão Martin Heidegger, em 1950, escrevia: «O tempo da noite do mundo é tempo de pobreza. O mundo já se tornou tão pobre que não sabe reconhecer a ausência de Deus como ausência».

O progresso é importante, sim, porque abre novos horizontes; a técnica torna-nos a vida mais fácil; a ciência explica-nos muitos segredos da natureza. Mas o homem e a mulher têm em si um mistério de transcendência, de amor, de verdade, que supera toda a dimensão espacial e temporal.

E é por isso que ansiamos por uma plenitude absoluta, cultivamos desejos ilimitados, procuramos alcançar o divino, esperamos uma explicação sobre o sentido último da vida e do ser.


 

P. (Card.) Gianfranco Ravasi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: blackboard/Bigstock.com
Publicado em 21.02.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos