Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Rezar não é fácil»: Francisco aponta espinhos e sugere estratégias para perseverar na oração

Seguindo o modelo do Catecismo, nesta catequese referir-nos-emos à experiência vivida da oração, procurando mostrar-lhe algumas das dificuldades muito comuns, que devem ser identificadas e superadas. Rezar não é fácil: há muitas dificuldades que ocorrem na oração. É preciso conhecê-las, especificá-las e superá-las.

O primeiro problema que se apresenta a quem reza é a distração. Começas a rezar e depois a mente gira, gira por todo o mundo; o teu coração está lá, a mente está lá... a distração da oração. A oração convive muitas vezes com a distração. Com efeito, a mente humana tem dificuldade em deter-se longamente sobre um só pensamento. Todos experimentamos este contínuo turbilhão de imagens e de ilusões em perene movimento, que nos acompanha até durante o sono. E todos sabemos que não é bom dar seguimento a esta inclinação desordenada. A luta para conquistar e manter a concentração não diz respeito apenas à oração. Se não se alcança um grau suficiente de concentração não se pode estudar com aproveitamento nem se pode trabalhar bem. Os atletas sabem que as competições não se vencem só com o treinamento físico, mas também com a disciplina mental: sobretudo com a capacidade de estar concentrados e manter desperta a atenção.

As distrações não são culpáveis, mas devem ser combatidas. No património da nossa fé há uma virtude que com frequência é esquecida, mas que está muito presente do Evangelho. Chama-se “vigilância”. E Jesus di-lo muito: «Vigiai. Orai». O Catecismo cita-a explicitamente na sua instrução sobre a oração (cf. n. 2730). Jesus, assiduamente, chama os discípulos para o dever de uma vida sóbria, orientada pelo pensamento que mais cedo ou mais tarde Ele regressará, como um esposo das bodas ou um proprietário de uma viagem.

Não conhecendo, todavia, o dia e a hora do seu regresso, todos os minutos da nossa vida são preciosos e não devem ser dispersos em distrações. No instante que não conhecemos ressoará a voz do nosso Senhor: nesse dia, felizes aqueles servos que Ele encontrar laboriosos, ainda concentrados naquilo que verdadeiramente conta. Não se dispersaram seguindo cada atração que se apresentava às suas mentes, mas procuraram caminhar no caminho certo, fazendo o bem e fazendo a sua tarefa. Esta é a distração: que a imaginação gira, gira, gira... Santa Teresa chamava a esta imaginação que gira, gira na oração, «a louca da casa»: é como uma louca que te faz girar, girar... Temos de a fechar e enjaular, com a atenção.



É preciso aprender a dizer: «Mesmo se Tu, meu Deus, pareces fazer de tudo para que eu deixe de acreditar em ti, eu, porém, continuo a rezar-te»



Um discurso merece o tempo da aridez. O Catecismo descreve-o desta maneira: «O coração é insensível, sem gosto pelos pensamentos, as recordações e os sentimentos inclusive espirituais. É o momento da fé pura, que permanece com Jesus na agonia e no túmulo» (n. 2731). A aridez fas-nos pensar na Sexta-feira Santa, na noite e no Sábado Santo, todo o dia: Jesus não está, está no túmulo; Jesus está morto: estamos sós. E este é o pensamento-mãe da aridez. Muitas vezes não sabemos quais são as razões da aridez: pode depender de nós mesmos, mas também de Deus, que permite certas situações da vida exterior ou interior. Ou, por vezes, pode ser uma dor de cabeça ou uma indisposição no fígado que te impede de entrar na oração. Muitas vezes não sabemos bem a razão. Os mestres espirituais descrevem a experiência da fé como uma alternância contínua de tempos de consolação e de desolação; momentos em que tudo é fácil, enquanto outros são marcados por um grande peso. Muitas vezes, quando encontramos um amigo, dizemos «como estás?»; «hoje estou em baixo». Muitas vezes estamos "em baixo", isto é, não temos sentimentos, não temos consolações, não conseguimos. São aqueles dias cinzentos... e há-os, muitos, na vida. Mas o perigo é ter o coração cinzento: quando este "estar em baixo" chega ao coração e o adoece... e há pessoas que vivem com o coração cinzento. Isto é terrível: não se pode rezar, não se pode sentir a consolação com o coração cinzento. Ou não se pode levar por idante uma aridez espiritual com o coração cinzento. O coração deve ser aberto e luminoso, para que entre a luz do Senhor. E se não entra, é preciso esperá-la com esperança. Mas não fechá-la no cinzentismo.

Diferente, ainda, é a acídia, que é uma verdadeira tentação contra a oração e, mais em geral, contra a vida cristã. A acídia é «uma forma de depressão devida ao relaxamento da ascese, a um desvanecimento da vigilância, à falta de cuidado pelo coração» (n. 2733). É um dos sete “vícios capitais” porque, alimentado pela presunção, pode conduzir à morte da alma. Como fazer, então, neste suceder-se de entusiasmos e desânimos? Deve aprender-se a caminhar sempre. O verdadeiro progresso da vida espiritual não consiste e multiplicar os êxtases, mas em ser-se capaz de perseverar nos tempos difíceis.

Recordemos a parábola de S. Francisco sobre a perfeita alegria: não é nas riquezas infinitas que chovem do Céu que se mede a bravura de um frade, mas no caminhar com constância, mesmo quando não se é reconhecido, mesmo quando se é maltratado, mesmo quanto tudo perdeu o gosto dos inícios.

Todos os santos passaram por este “vale escuro”, e não nos escandalizamos se, ao ler os seus diários, escutamos a narração de noites de oração indolentes, vivida sem gosto. É preciso aprender a dizer: «Mesmo se Tu, meu Deus, pareces fazer de tudo para que eu deixe de acreditar em ti, eu, porém, continuo a rezar-te».

Os crentes nunca extingam a oração! Ela, por vezes, pode assemelhar-se à de Job, que não aceita que Deus o trate injustamente, protesta e chama-o a juízo. Mas, muitas vezes, também protestar diante de Deus é uma maneira de rezar, ou, como dizia aquela velhinha, «zangar-se com Deus é uma maneira de rezar, também», porque muitas vezes o filho zanga-se com o pai: é uma maneira de relação com o pai; zanga-se porque o reconhece "pai", zanga-se.

E também nós, que somos muito menos santos e pacientes que Job, sabemos que no fim, no termo deste tempo de desolação, em que elevámos ao Céu gritos mudos e muitos “porquê?”, Deus responder-nos-á. Não esquecer a oração do "porquê?": é a oração que fazem as crianças quando começam a não compreender as coisas, e os psicólogos chamam-na "a idade dos porquês", porque a criança pergunta ao pai: «Pai, porque é que...? Pai, porque é que...? Pai, porque é que...?». Estejamos atentos: a criança não escuta a resposta do pai. O pai começa a responder e a criança vem com um outro «porquê». Quer apenas atrair para si o olhar do pai; e quando nós nos zangamos um pouco com Deus e começamos a dizer «porquê», estamos a atrair o coração do nosso Pai para a nossa miséria, para a nossa dificuldade, para a nossa vida. Mas sim, tende a coragem de dizer a Deus: «Mas porquê...?». Porque às vezes zangar-se um pouco faz bem, porque nos faz despertar esta relação de filho para com o Pai, de filha para com o Pai, que devemos ter com Deus. E mesmo as nossas expressões mais duras e mais amargas, Ele as recolherá com o amor de um pai, e as considerará como um ato de fé, como uma oração.


 

Papa Francisco
Audiência geral, 19.5.2021, Vaticano
Fonte: Sala de Imprensa da Santa Sé
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Tinnakorn/Bigstock.com
Publicado em 19.05.2021

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos