Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Leitura do dia: Quando Cristo passa à nossa porta e perdemos a oportunidade

Os redatores bíblicos não se contiveram quando tinham de atacar os seus opositores, e foram notáveis quando se tratava de derrubar pretensiosos e ingratos. As pessoas que se dedicam a redigir discursos para políticos e os criativos de publicidade podem muito bem aprender com os mestres de retórica da Bíblia. Na primeira leitura de hoje (Isaías 7,1-9) o profeta denomina os conspiradores da realeza contra Judá de «tições fumegantes» ,e tranquiliza o rei Acaz: «Tal não acontecerá nem se realizará».

Jesus desencadeia a angústia em Betsaida e Corozaim por não responderem às suas pregações e grandes feitos (Mateus 11,20-24). Compara Cafarnaum a Sodoma, nome sinónimo de iniquidade, porque não se arrependeu. A frustração sente-a logo no início do seu ministério na Galileia. Ao chegar a Jerusalém, abate-se em lágrimas pela cidade, porque os habitantes não aproveitaram o tempo da sua visita, e por ignorarem os avisos que lançou sobre os desastres que estavam por acontecer.

Dizemos que queremos profetas e figuras da sabedoria que guiem a sociedade a ser proativa em relação aos problemas antes que se transformem em crises, mas a história mostra que a mudança real acontece com relutância, frequentemente, tarde demais. Consideremos, por exemplo, o aviso claro do papa Francisco, há quase cinco anos, sobre a necessidade urgente de mudanças nas políticas para proteger o meio ambiente. Ou como alguns países estão a opor a política à ciência em plena difusão descontrolada do vírus e bloqueio económico, devido à pior pandemia que passou até agora pelas nossas vidas.

A Palavra de Deus está presente e é oportuna. À medida que o Lecionário proclama as suas lições das Escrituras em ciclos de três anos, há uma Voz Viva que está nos fala, que confortando-nos, quer avisando-nos. As intervenções do papa Francisco ajudam-nos a escutar, em diálogo, a Palavra e os acontecimentos mundiais. A nossa resposta livre faz parte desse diálogo. Não precisamos de ficar à espera que os líderes ajam; os protestos planetários mostram que as pessoas comuns, especialmente os jovens, estão mais sintonizados com as crises do que os governos.

Os Evangelhos, como a história, a arte e a ciência, dizem-nos para sermos corajosos e criativos quando chega a hora de navegar de sistemas falidos para novas formas de pensamento, de maneira a enfrentar os desafios. Jesus tem sempre Boas Novas, parábolas e o exemplo do seu amor e perdão para nos mostrar como seguir em frente quando o medo e o fatalismo paralisam a esperança ou propõem soluções extremas para o árduo trabalho árduo inerente à mudança real. Como sempre, há profetas entre nós, e há obras poderosas que estão a ser realizadas, se tivermos olhos para ver e ouvidos para escutar para além do ruído e da informação errada que abunda. Isaías ensina-nos a confiar em Deus ao enfrentarmos cada crise: toma cuidado, permanece tranquilo e não tenhas medo; não deixes a tua coragem falhar.


 

Pat Marrin
In National Catholic Reporter
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: William Brassey Hole
Publicado em 14.07.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos