Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Primeiro heróis, depois, quem sabe, santos

Ontem, pela primeira vez após o início da quarentena, fui fazer compras.

Saí equipado a preceito, com máscara e luvas, e aventurei-me num supermercado nas proximidades da minha paróquia, e aí descobri a (previsível) fila purgativa das pessoas à espera para poder entrar. Saúdo-as mantendo a distância de segurança.

A minha crescente indignação pela evidente estultícia de muitos que se obstinam a fingir que tudo está como antes foi depressa substituída por uma coisa que me chamou à atenção. Com efeito, de vez em quando saíam do supermercado membros do pessoal: o homem da charcutaria, depois duas caixas, depois alguém talvez fosse o diretor (imaginei-o por causa do ar altivo e vigilante), etc. Saíam alguns minutos, dirigiam-se não sei para onde, e depois reentravam.

O que mais me tocou foi o passo solene, cheio de compreensão de si próprios e da sua função, unido ao ar gasto, exausto, e talvez também um pouco preocupado pela sua sorte, por estarem retidos devido ao trabalho que fazem no meio dos miasmas e exalações de uma multidão potencialmente infetada.

Pois bem, em todos eles eu vi heróis do dia a dia (não ouso imaginar o que experimentarei ao ver, nestes dias, um médico ou um enfermeiro!). Também ali, na banalidade extrema daquele caminho de cimento entre apartamentos e gente estropiada, havia heróis: gente que se estava a expor a si mesma a um risco, para permitir a mim e aos outros comprar bens para comer. Gente que se põe em perigo por estranhos, para cumprir o seu dever.

Desculpem, se isto não é heroísmo, o que é?



«Há “algo” de santo, de divino oculto nas situações mais comuns, algo que cabe a cada um de vós descobrir»



E depois a minha cabeça voou… e pensei como seria se estes pequenos heróis se decidissem acrescentar o amor ao sentido do dever, e percebi que os nossos supermercados, os nossos bancos, os nossos autocarros, os nossos jornais constelar-se-iam de santos – e quem me diz que isso já não está a acontecer? [E que dizer, por exemplo, das dezenas de médicos e padres que já morreram por causa do vírus?] Santidade extraída da crise. Santos por todo o lado. Que coisa extraordinária!

Desse fluir de pensamentos, recordei um discurso belíssimo de S. Josemaria Escrivà, que a certo ponto diz: «Deus chama-vos para o servir “nas” tarefas e “através” das tarefas civis, materiais, temporais da vida humana: num laboratório, no bloco operatório de um hospital, na caserna, na cátedra de uma universidade, na fábrica, na oficina, nos campos, no lar doméstico e em todo o infindo panorama do trabalho, Deus espera-nos a cada dia. Sabei-o bem: há “algo” de santo, de divino oculto nas situações mais comuns, algo que cabe a cada um de vós descobrir».

Este é o tempo em que cada um de nós, se o quiser, simplesmente estando no seu posto, pode tornar-se um herói do quotidiano – até um santo. Sim, também tu que está a ler, talvez simplesmente aceitando estar fechado dentro de tua casa, quando desejavas sair nestes dias em que começa a primavera.

No fundo, para nos tornarmos santos, basta amar.


 

Alessandro Di Medio
In SIR
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: D.R.
Publicado em 20.03.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos