Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Presença dos crentes, ainda que mínima, deve ser um grito, não um sussurro»

«Conhece aquela frase do “Diário” de Søren Kierkegaard? “O navio está nas mãos do cozinheiro de bordo. E o que transmite o megafone do comandante já não é a rota mas aquilo que vamos comer amanhã”…»

O cardeal Gianfranco Ravasi, biblista e também “ministro” da Cultura do Vaticano está convencido de que no Ocidente os católicos, e em geral os crentes, devem estar conscientes de que são uma «minoria», não obstante haver quem discorde.

«Muitos eclesiásticos refutam-no, quando lhes dizem isto interrompem o interlocutor. Vivem como se ainda estivéssemos naquelas regiões onde ao domingo de manhã tocavam os sinos e as pessoas acorriam à missa.»

Em vez disso, hoje «prevalece a indiferença, a irrelevância do fenómeno religioso. É o problema do secularismo, ou da secularização. Não é uma rejeição do sagrado ou do transcendente, uma recusa agressiva: os ateus declarados são muito poucos. É antes uma forma de apatia religiosa. Que Deus exista ou não, é o mesmo. E isto comporta a queda de um sistema ético: os valores são autoproduzidos».

Neste sentido, há uma filósofa americana, Sandra Harding, para quem o conceito de verdade e de moral é como o comportamento da aranha que elabora a teia: obtém-na de si mesmo. A aranha vizinha faz outra. É o efeito do secularismo, que é distinto da secularidade.



Para «fazer compreender a força, a radicalidade evangélica das bem-aventuranças, não basta limitar-se a lê-las: tenho de as explicar numa linguagem que as atualize. Um exemplo desta atitude está no papa Francisco e nos três elementos que «usa espontaneamente»



Com efeito, a secularidade «é um valor tipicamente cristão, a César e a Deus… Noutras culturas há teocracias e hierocracias, mas não é a visão cristã», porque os católicos não querem que «cada praça seja uma praça de S. Pedro». A «secularidade é o reconhecimento da distinção entre fé e polis, não da separação. A Igreja tem direito de intervir sobre as leis, não de modo direto, mas se violarem a liberdade e a dignidade da pessoa, a solidariedade. A reação secularista nega inclusive isto».

Perante a realidade, aos católicos abrem-se duas «estradas fundamentais». «A primeira é reduzir-se a dizer o mínimo absoluto, religioso e moral. Reconhecer a tendência para o subjetivismo e conceder quase tudo, como fazem muitas igrejas protestantes: é melhor o mínimo que o vazio. Não estou de acordo. A presença dos crentes, ainda que mínima, deve ser um grito, não um sussurro.»

O segundo itinerário consiste em «conservar o núcleo, o “kerygma” da fé, as grandes palavras últimas: o Decálogo, o Discurso da Montanha, a verdade, a vida e a morte. Fazer como S. Paulo no areópago de Atenas, mesmo sabendo que é possível o fracasso. A derrota e a recusa são parte da dinâmica do anúncio».

Para «fazer compreender a força, a radicalidade evangélica das bem-aventuranças, não basta limitar-se a lê-las: tenho de as explicar numa linguagem que as atualize. S. Paulo tinha-o percebido, tomou o núcleo cristão, o “kerygma”, e transcreveu-o numa linguagem que já era a judaica de Jesus: o grego de S. Paulo era o inglês, o digital de então».

Um exemplo desta atitude está no papa Francisco e nos três elementos que «usa espontaneamente». «Um é a parataxe, a frase breve. Se queres fazer-te entender, depois, tens de recorrer ao símbolo, como faz Jesus, as parábolas, a narrativa: as periferias, o odor das ovelhas. Por fim, num mundo dominado pelo virtual, voltar ao corpo, à presença: o tema da misericórdia para declinar a categoria do amor».

Ainda que estejamos numa época que em certos domínios é «dramática» e «desencorajadora», fechar-se «num oásis protegido não é cristão, não é monástico». Diz Jesus: «O que escutais ao ouvido, proclamai-o sobre os terraços». «O monaquismo salvou e elaborou a cultura clássica, geriu a economia, construiu cidades.»


 

Card. Gianfranco Ravasi
Presidente do Conselho Pontifício da Cultura
A partir de entrevista de Gian Guido Vecchi para o jornal “Corriere della Sera”, 28.11.2018
Fonte: Cortile dei Gentili
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Imagem: ultramansk/Bigstock.com
Publicado em 04.01.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos