/head Pilar del Rio escreve perfil do cardeal Tolentino Mendonça | Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Pilar del Rio escreve perfil do cardeal Tolentino Mendonça

«Este perfil deveria escrevê-lo Umberto Eco: o autor de “O nome da rosa” faria filigranas com a biografia de José Tolentino Mendonça, arcebispo de Suava e diretor do arquivo secreto do Vaticano por obra e graça do papa Francisco, que o elevou a tal glória em 2018, após os exercícios espirituais que orientou na Quaresma do mesmo ano. Tolentino Mendonça é teólogo, professor, ensaísta, foi vice-diretor da Universidade Católica de Lisboa, é cronista no semanário português “Expresso” e poeta com obra distinguida e traduzida.»

É com estas palavras que Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, abre o texto sobre o cardeal publicado na internet a 4 de janeiro, na página “eldiario”, de Espanha, no âmbito de uma edição especial dedicada a Portugal, datada de outubro.

«Pelo seu percurso enquanto pessoa e escritor não o imaginamos a envenenar pastas de arquivo para que ninguém mais tenha acesso a determinados segredos do Vaticano, pelo contrário, é fácil intuir-lhe tremores por não poder partilhar com os seus contemporâneos determinadas páginas que clarificariam a sempre densa narrativa da história. Que conversas terá com o Papa Francisco? O que terá visto o Papa no teólogo português para depositar o peso do conhecimento nas suas mãos? Ler diversas línguas que alguns chamam de mortas e outros de imortais não deverá ser o único motivo. Talvez ser poeta», vaticina a autora.

Outro motivo que suscitaria a escolha de Francisco terá sido a de o primeiro diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura «ser curioso», e «manter-se leal a uma mensagem evangélica primordial», «ainda que deva ser a soma de todas estas singularidades a fazer pender a balança. Não saberemos até que o próprio papa o revele».



D. Tolentino Mendonça foi nomeado figura nacional do ano de 2019 pelo “Expresso”. A 16 e 17 de maio presidirá às festas do Senhor Santo Cristo, em Ponta Delgada, bem como à comissão organizadora das comemorações do 10 de junho



O biblista, arquivista e bibliotecário da Santa Sé «atribuiu o título “Elogio da sede” ao conjunto de textos que proferiu diante de Francisco, a quem recordou as palabras de sua autoria: "Este mundo tem uma grave dívida social para com os pobres que não têm acesso a agua potável, isso é negar-lhes o direito à vida, radicado na inalianável dignidade"».

«Lê filosofia, teologia e crítica literária, define a sua dedicação atual como trabalho e paixão, sente tristeza pela Europa de hoje e tem como perfume de eleição aquele que soltam os lírios do campo, o seu lema na consagração episcopal: "Olhai os lírios do campo". Não esperava ocupar funções tão altas dentro da igreja católica, não fez campanha eleitoral, não se candidatou ao cargo. Estava na Universidade quando recebeu o telefonema. Defende o "amar por amar" e o Evangelho da Misericórdia. Esta nomeação [para o cardinalato] indica que em Roma se estão a passar coisas», conclui Pilar del Rio.

A jornalista espanhola, viúva de José Saramago, prémio Nobel da Literatura, manifestou, em outubro de 2019, dois dias antes de D. Tolentino Mendonça receber as insignias cardinalícias, a o «grande respeito» e o «muito orgulho» que tem em conhecê-lo.

«Conhecia-o bem, e posso dizer o que teria feito, nesse dia [da ordenação episcopal de D. Tolentino, a 28 de julho de 2018, no mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa]: teríamos estado os dois [Pilar del Rio e José Saramago] na ordenação episcopal do Tolentino. Nem José Saramago nem eu somos crentes, mas os dois somos capazes de respeitar o cristianismo, quando se atém ao entendimento dos seres humanos», declarou à Agência Ecclesia.

D. Tolentino Mendonça foi nomeado figura nacional do ano de 2019 pelo “Expresso”. A 16 e 17 de maio presidirá às festas do Senhor Santo Cristo, em Ponta Delgada, bem como à comissão organizadora das comemorações do 10 de junho, Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas, que decorrerão na Madeira, onde nasceu, e na África do Sul.


 

Rui Jorge Martins
Fontes: El Diario, Agência Ecclesia
Imagem: D.R.
Publicado em 05.01.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos