Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Para temperar a agressividade, (re)educar para a empatia

A palavra “agressividade” é um termo complexo, como a emoção que a subentende. Se a primeira conotação se mostra exclusivamente negativa, a raiz etimológica sublinha-lhe, pelo contrário, uma valência potencialmente positiva; “ad-gredior” significa vou em frente, avanço, e por isso faz referência a uma força que implica dinamismo e autoafirmação, e que coloca o “eu” em condição de progredir para além dos obstáculos.

Na vida infantil, a pulsão agressiva fisiológica sustém em primeiro lugar o desejo de sair da fusão simbiótica originária para construir a identidade pessoal; esta, com efeito, requer a definição das suas “fronteiras”, porque ser-se eu próprio significa não ser como o outro, e ter pensamentos e desejos de que sentimos a plena propriedade.

Um exemplo claro desta passagem são as palavras-chave da criança entre os dois e os três anos, nó crucial no percurso identitário: estas palavras (“eu”, “não”, “meu”) são utilizadas de maneira marcadamente autoafirmativa, e não raro agressivo, que exprime muito bem a necessidade de afirmar a vontade nascente e a diferença específica.

Na vida adulta, aquilo que estimula a agressividade é sempre a perceção (certa ou incorreta) de alguém ter violado o nosso território físico ou psíquico: alguém, portanto, que nos «falta ao respeito» ou que «ultrapassou o limite»; a reação agressiva serve-nos para «pôr o outro no seu lugar»: tudo modos de dizer que indicam bem como ao centro está precisamente o tema da proteção daquilo que sentimos nosso, a partir da imagem que cada um tem de si.

Mas porque é que hoje a taxa de agressividade social é tão elevada? Porque é que as modalidades de relacionamento se tornaram tão agressivas a todos os níveis? Creio que o problema está ligado a um modo de se considerar a si próprio que alarga desmesuradamente aquilo que consideramos ser o nosso território, sem que saibamos reconhecer a legitimidade do território dos outros: aquele infantil “eu”/meu” alastra-se sem encontrar um limite na capacidade de dar espaço ao “eu” do outro.

Esta capacidade não se improvisa, como bem sabe que tenta conter a prepotência fisiológica dos três anos; exige uma educação paciente para a empatia, que é precisamente o saber inserir-se no ponto de vista do outro. Para fazer isto é necessário, todavia, que o mundo dos adultos torne a descobrir o valor da relação, abandonando a lógica do «tudo gira à minha volta».


 

Mariolina Ceriotti Migliarese
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Rawpixel.com/Bigstock.com
Publicado em 15.11.2021

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos