Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa agradece aos médicos «exemplo de heroísmo» no «serviço aos doentes»

«Soube que nestes dias faltaram alguns médicos, sacerdotes, não sei se alguns enfermeiros, mas contagiaram-se, apanharam o mal porque estavam ao serviço dos doentes. Rezemos por eles, pelas suas famílias, e agradeço a Deus pelo exemplo de heroísmo que nos dão ao curar os doentes», afirmou o papa, ao introduzir a missa a que presidiu, esta manhã, no Vaticano.

Até hoje morreram, em Itália, 24 médicos que tratavam pessoas atingidas pelo Covid-19, elevando-se a quase 50 mil os agentes de saúde contagiados. O número de sacerdotes que perderam a vida, também devido ao coronavírus, aproxima-se agora da meia centena.

Na homilia, ao comentar o Evangelho proclamado nas eucaristias desta terça-feira (João 5,1-16), Francisco chamou a atenção para o pecado da acídia, estado de desânimo, fraqueza, tristeza, que se reflete, espiritualmente, na falta de desejo de aproximação e comunhão com Deus.

«A liturgia de hoje faz-nos refletir sobre a água, a água como símbolo de salvação, porque é um meio de salvação, mas a água é também um meio de destruição: pensemos no dilúvio… Mas nestas leituras, a água é para a salvação.

Na primeira leitura (Ezequiel 47, 1-9. 12), aquela água que conduz à vida, que cura as águas do mar, uma água nova que cura. E no Evangelho, a piscina, aquela piscina para onde iam os doentes, cheia de água, para se curarem, porque se dizia que, de vez em quando, as águas agitavam-se, como se fosse um rio, porque um anjo descia do céu para as agitar, e o primeiro, ou os primeiros, que se lançavam à água eram curados.»

«Muitos cristãos», à semelhança do homem da narrativa evangélica, que viveu 38 anos à beira das águas da piscina, à espera de ser curado, vivem num «estado de acídia, incapazes de fazer seja o que for, mas a lamentar-se de tudo. E a acídia é um veneno, uma névoa que rodeia a alma e não a faz viver», vincou.

Além disso, prosseguiu, «é também uma droga, porque se tu a experimentas muitas vezes, dá prazer. E tu acabas como um “triste-dependente”, um “acídia-dependente”. É como o ar. E isto é um pecado bastante habitual entre nós: a tristeza, a acídia, não digo a melancolia, mas aproxima-se».

«Far-nos-á bem reler este capítulo cinco de João, para ver como é esta doença na qual podemos cair. A água é para nos salvarmos. “Mas eu não posso salvar-me”; “porquê?”; “porque a culpa é dos outros”», observou.

«Pensemos na água, naquela água que é símbolo da nossa força, da nossa vida, a água que Jesus usou para nos regenerar, o Batismo. E pensemos também em nós, se algum de nós tem o perigo de deslizar para esta acídia, para este pecado neutral: o pecado do neutro é este, nem branco nem preto, não se sabe o que é. E este é um pecado que o diabo pode usar para aniquilar a nossa vida pessoal, e também a nossa vida de pessoas», alertou.

Francisco concluiu a celebração com a adoração e a bênção eucarística, convidando à comunhão espiritual.














 

In Vatican News
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: D.R.
Publicado em 24.03.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos