Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O que desejas para ti, dá-lo ao teu inimigo (e esquece de vez esta palavra)

Jesus tinha acabado de projetar no céu da planície humana o sonho e a revolta do Evangelho ao proclamar as Bem-aventuranças. Agora pronuncia o primeiro dos seus «Amai» (Lucas 6, 27-38). Amai os vossos inimigos. Fá-lo-ás agora, sem esperar; não para responder, mas para antecipar; não porque as coisas estão como estão, mas para as mudar.

A sabedoria humana, no entanto, contesta Jesus: amar os inimigos é impossível. E Jesus contesta a sabedoria humana: amai-vos, de outra maneira destruir-vos-eis. Porque a noite não se derrota com mais trevas; o ódio não se bate com outro ódio no deve e haver da história.

Jesus quer eliminar o próprio conceito de inimigo. Tudo à nossa volta, tudo dentro de nós diz: foge de Caim, afasta-te dele, torna-o inócuo. Depois vem Jesus e surpreende-nos: aproximai-vos dos vossos inimigos, e inverte o medo em proteção amorosa, porque o medo não liberta do mal.

E indica oito passos do amor, sublinhando verbos concretos: amai; fazei; abençoai; orai; oferecei; não recuseis; dai; não peças de volta. O amor de Jesus é efetivo, é amor de mãos, porque não há amor verdadeiro sem um fazer.

Oferece a outra face, baixa as defesas, permanece desarmado, não incutas medo, mostra que não tens nada a defender, nem sequer a ti próprio, e o outro compreenderá o absurdo de ser teu inimigo. Dá a outra face, de outra maneira quem vencerá será sempre o mais forte, o mais armado, violento e cruel.

Oferece a outra face não por passividade, mas tomando tu a iniciativa, relançando a relação, dando tu o primeiro passo, perdoando, recomeçando, criando confiança. «A quem te rasga a veste, não recuses a túnica», acentua o Mestre, dirigindo-se a quem, talvez, não tenha nada mais para oferecer. Como que a dizer: dá tudo o que tens.

A salvação, com efeito, vem de baixo. Quem se faz pobre salvará o mundo com Jesus. Caminho altíssimo. O Mestre não convoca heróis para o seu Reino, nem atletas chamados a feitos impossíveis.

E eis o presente deste Evangelho: como quereis que os homens façam a vós, fazei também vós a eles. O que desejardes para vós, fazei-o aos outros: prodigiosa contradição da lei, a última instância do mandamento é o teu desejo. O mundo que desejas, constrói-o, «Sê tu a mudança que queres ver no mundo» (Gandhi).

O que desejas para ti, o que te mantém vivo e te faz feliz, isso darás ao teu companheiro de caminho, para além da eterna ilusão do igual dar e haver. É o caminho da humana perfeição. Lei que alarga o coração, medida calcada, sacudida e a transbordar, que derrama alegria no útero da vida.


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: melis/Bigstock.com
Publicado em 22.02.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos