Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Mulheres crucificadas»: Papa Francisco prefacia livro sobre tráfico humano

Quando numa das Sextas-feiras da Misericórdia, durante o Ano Santo Extraordinário [12 de agosto de 2016], entrei na casa de acolhimento da Comunidade Papa João XXIII [na região metropolitana de Roma], não pensei que lá dentro iria encontrar mulheres tão humilhadas, debilitadas, exaustas.

Realmente mulheres crucificadas. Na sala em que encontrei as jovens libertadas do tráfico da prostituição coagida [da Roménia, Albânia, Nigéria, Tunísia, Itália, Ucrânia], respirei toda a dor, a injustiça e o efeito da subjugação. Uma oportunidade para reviver as feridas de Cristo.

Depois de ter escutado as narrações comoventes e humaníssimas destas pobres mulheres, algumas delas com o filho nos braços, senti um forte desejo, quase exigência, de lhes pedir perdão pelas autênticas torturas que tiveram de suportar por causa dos clientes, muitos dos quais se definiam cristãos. Mais um incentivo para rezar pelo acolhimento das vítimas do tráfico da prostituição forçada e da violência.

Uma pessoa nunca pode ser posta à venda. Por isso, estou feliz por poder dar a conhecer a obra preciosa e corajosa de socorro e reabilitação que o P. Aldo Buonaiuto [autor do livro] realiza há muitos anos, seguindo o carisma de Oreste Benzi [sacerdote fundador da Comunidade Papa João XXIII]. Isto inclui também a disponibilidade para se expor aos perigos e às retaliações da criminalidade que destas jovens fez uma inesgotável fonte de lucros ilícitos e vergonhosos.



Libertar estas pobres escravas é um gesto de misericórdia e um dever para todos os seres humanos de boa vontade. O seu grito de dor não pode deixar indiferente nem os indivíduos nem as instituições



Gostaria que este livro encontrasse escuta no mais amplo contexto possível, a fim de que, conhecendo as histórias que estão por trás dos números perturbadores do tráfico, se possa compreender que sem deter uma tão alta solicitação dos clientes, não se poderá eficazmente obstruir a exploração e a humilhação de vidas inocentes.

A corrupção é uma doença que não se detém por si só, é necessária uma tomada de consciência a nível individual e coletivo, inclusive como Igreja, para ajudar verdadeiramente estas nossas desafortunadas irmãs, e para impedir que a iniquidade do mundo recaia sobre as criaturas mais frágeis e indefesas. Qualquer forma de prostituição é uma redução à escravidão, um ato criminal, um vício repugnante que confunde o fazer o amor com o descarregar os próprios instintos torturante uma mulher indefesa.

É uma ferida na consciência coletiva, um desvio ao imaginário corrente. É patológica a mentalidade pela qual uma mulher é explorada como se fosse uma mercadoria a usar e depois lançar fora. É uma doença da humanidade, uma maneira errada de pensar da sociedade.

Libertar estas pobres escravas é um gesto de misericórdia e um dever para todos os seres humanos de boa vontade. O seu grito de dor não pode deixar indiferente nem os indivíduos nem as instituições. Nenhum deve voltar as costas ou lavar as mãos do sangue inocente que é derramado nas estradas do mundo.


Imagem D.R.

Imagem D.R.

 

Papa Francisco
Prefácio do livro "Donne crocifisse. La vergogna della tratta raccontata dalla strada" (P. Aldo Buonaiuto, ed. Rubbettino)
Fonte: Ed. Rubbettino
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Inked Pixels/Bigstock.com
Publicado em 29.07.2019

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos