Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

D. Pedro Casaldáliga (1928-2020)

Morreu hoje em Batatais, no Brasil, aos 92 anos. D. Pedro Casaldáliga Pla, bispo emérito da prelatura territorial de S. Félix do Araguaia e religioso da congregação dos Claretianos, autor de um poema que comparece entre os seis que o papa Francisco incluiu na exortação apostólica “Querida Amazónia”.

Expoente da Teologia da Libertação, e conhecido pelo seu compromisso ao lado das comunidades pobres e indígenas, enfrentou a ditadura militar e os poderosos proprietários de grandes extensões de terrenos agrícolas, como ilustra a sua primeira carta pastoral, eloquentemente intitulada "Uma Igreja na Amazónia em guerra contra o latifúndio e a marginalização social".

«Flutuam sombras de mim, madeiras mortas./ Mas a estrela nasce sem censura/ sobre as mãos deste menino, especialistas/ que conquistam as águas e a noite./ Bastar-me-á saber/ que Tu me conheces/ inteiramente, ainda antes dos meus dias», de “Carta de navegar (pelo Tocatins amazónico”), é a citação que comparece no documento de Francisco publicado em fevereiro, extraído de “O tempo e a espera”, um dos livros de que é autor no domínio da poesia, a que se juntam obras nas áreas da antropologia, sociologia e ecologia.

A sua poesia transformou-se em oração, nomeadamente na "Missa da Terra Sem Males", evocadora da opressão sofrida pelos povos indígenas, redigida com Pedro Tierra em 1979, e também com este e Milton Nascimento a “Missa dos quilombos”, composta em 1981 pela causa do povo negro, realçando as exclusões sociais na sociedade moderna.



«Dom Pedro marcou a sua vida pela solidariedade em relação aos mais pobres e sofridos, fazendo do seu ministério, sua poesia e sua vida um canto à solidariedade. Preocupado em “nada possuir, nada carregar, nada pedir, nada calar e, sobretudo, nada matar”, contempla agora o Deus da Vida, a quem buscou servir em cada pobre, em cada sofredor»



Nascido a 16 de fevereiro de 1928 em Balsareny, Catalunha, Espanha, D. Pedro Casaldáliga entrou nos Missionários Filhos do Coração Imaculado de Maria a 8 de setembro de 1945, e foi ordenado sacerdote em Barcelona a 31 de maio de 1952.

Foi para o Brasil em 1968, e dois anos depois foi nomeado pelo papa S. Paulo VI administrador apostólico da prelatura territorial de S. Félix, e, em 1971, prelado da mesma jurisdição, localizada no estado do Mato Grosso.

«A sua atividade como bispo teve as seguintes características: evangelização, vinculada à promoção humana e à defesa dos direitos humanos dos mais pobres; criação de comunidades eclesiais de base com líderes que sejam fermento entre os pobres; encarnação na vida, nas lutas e esperanças do povo; estrutura participativa e corresponsável na diocese», refere uma nota publicada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. (CNBB)

Ameaçado várias vezes de morte, esteve entre os fundadores, na estrutura episcopal brasileira, da Comissão Pastoral da Terra e do Conselho Indigenista Missionário.

«A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil solidariza-se com a Prelazia de São Félix do Araguaia e a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria pelo falecimento, ocorrido hoje, de D. Pedro Casaldáliga Plá, bispo Emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT) e Missionário Claretiano. Dom Pedro marcou a sua vida pela solidariedade em relação aos mais pobres e sofridos, fazendo do seu ministério, sua poesia e sua vida um canto à solidariedade. Preocupado em “nada possuir, nada carregar, nada pedir, nada calar e, sobretudo, nada matar”, contempla agora o Deus da Vida, a quem buscou servir em cada pobre, em cada sofredor», lê-se na nota de pesar da CNBB, que tem como primeiro signatário o seu presidente, D. Walmor de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte.

Internado há poucos dias no hospital, com dificuldades respiratórias, tinha sido atingido pela doença de Parkinson em 2012. A sepultura será na quarta-feira, em S. Félix do Araguaia.


 

Rui Jorge Martins
Fontes: Vatican News, Conferência Nacional dos Bispos do Brasil
Imagem: D. Pedro Casaldáliga | D.R.
Publicado em 08.08.2020 | Atualizado em 10.08.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos