Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Diocese oferece recipientes com cinzas abençoadas para assinalar início da Quaresma em casa

O bispo de uma diocese católica canadiana, prevendo que o confinamento causado pela pandemia vai impedir os fiéis de se deslocarem às igrejas para a celebração de Quarta-feira de Cinzas, que na próxima semana marca o início da Quaresma, está a disponibilizar uma alternativa para que essa data seja assinalada em casa.

D. Thomas Dowd, da diocese de Sault Ste. Marie, no Ontário prevê a distribuição de doze mil recipientes com cinzas, que incluem indicações sobre como as impor, a par de excertos da Bíblia e orações.

«Não queremos que a pandemia de Covid-19 interfira com este dia importante. A liturgia oficial da Igreja permite que a distribuição das cinzas ocorra fora da missa. Cada paróquia celebrará a bênção das cinzas na quarta-feira de cinzas. Se uma família ou escola desejar celebrar este ritual, podem obter uma pequena porção das cinzas abençoadas», lê-se no texto de introdução.

Na Quarta-feira de Cinzas, anterior ao primeiro domingo da Quaresma e a seguir ao Entrudo, a liturgia da missa prevê o gesto simbólico da imposição na cabeça das cinzas que resultaram da cremação das palmas usadas no Domingo de Ramos do ano anterior, significando a necessidade e o desejo de conversão associado ao itinerário de preparação para a Páscoa.



A iniciativa tem também uma dimensão ecuménica: «Autorizei especificamente a distribuição a membros de famílias que não são católicos», oferta que outras comunidades cristãs acolheram «muito calorosamente».



O ministro, enquanto impõe as cinzas, profere uma destas duas expressões: «Arrependei-vos e acreditai no Evangelho» (Marcos 1,15) ou «lembra-te, homem, que és pó da terra e à terra hás de voltar» (Génesis 3,19), palavras que evocam a vontade de mudar de vida e aceitar o Evangelho, ou a caducidade e arrependimento humanos.

«Apesar dos desafios que enfrentamos, há um lado bom: a possibilidade de centenas, até milhares de pessoas a orar juntas nas suas casas», assinalou o prelado. «Para alguns, esta pode ser a primeira vez que vivem tal experiência. Deus pode fazer maravilhas quando nos aproximamos dele de coração aberto; então, vamos orar para que a Quarta-feira de Cinzas de 2021 seja uma ocasião para Ele nos guiar por um caminho de renovação.»

Inicialmente, foram pedidos seis mil recipientes, mas depressa a diocese teve de duplicar a encomenda. Se, em média, houver 2,5 pessoas por casa, espera-se que sejam 15 mil fiéis a predispor-se para iniciar o seu caminho de conversão.

«Garantir que todos sejam incluídos e encorajar as nossas famílias a rezar juntas neste dia sagrado é bastante significativo», afirmou o prelado, acrescentando que a ideia proporciona às famílias uma oportunidade para «começarem a Quaresma juntas, para compartilharem entre si a importância» desse tempo litúrgico.



A distribuição das cinzas vai decorrer até ao final de fevereiro, possibilitando que as pessoas ouçam falar do projeto e a ele adiram de acordo com as normas sanitárias



A iniciativa tem também uma dimensão ecuménica: «Autorizei especificamente a distribuição a membros de famílias que não são católicos», oferta que outras comunidades cristãs acolheram «muito calorosamente».

«Em muitos dos nossos lares, há pessoas que não partilham a fé católica, mas que gostariam de participar neste momento de oração. Nesses casos, essas pessoas não católicas que participam no ritual de oração podem receber as cinzas, desde que (ou os seus pais ou responsáveis) o peçam livremente. Elas poderão também participar de outras maneiras, por exemplo lendo uma leitura», refere o decreto episcopal.

A distribuição das cinzas vai decorrer até ao final de fevereiro, possibilitando que as pessoas ouçam falar do projeto e a ele adiram de acordo com as normas sanitárias.

Caso subsista a «crença fundada» de que as cinzas abençoadas vão ser tratadas desrespeitosamente, as paróquias devem recusar entregá-las. As famílias são chamadas conceder às cinzas a dignidade que lhes é devida; se não forem usadas, devem ser devolvidas às paróquias, ou enterradas.

A Quaresma, caracterizada pela acentuação batismal e penitencial (aos cristãos é especialmente recordado o seu Batismo e a necessidade de conversão), começa na Quarta-feira de Cinzas (este ano, 17 de março) e termina na tarde de Quinta-feira Santa (1 de abril), seguindo-se o Tríduo Pascal, que culmina na Páscoa.

As liturgias da Quaresma são marcadas pela ausência do “Aleluia”, austeridade (sem flores nem música instrumental), a cor roxa dos paramentos (associada à penitência e ao luto), exceto no quarto Domingo, em que se pode usar o rosa, e nos dias que o calendário assinala uma solenidade (como acontece a 19 de março, com S. José, cor branca).

As celebrações distinguem-se também pelos «escrutínios» que marcam a fase final do percurso de iniciação cristã dos adultos, conducentes, na Vigília Pascal (entre o Sábado Santo e o Domingo de Páscoa), ao Batismo, Confirmação (Crisma) e Eucaristia.


 

Rui Jorge Martins
Fonte: Crux
Imagem: Imposição de cinzas | D.R.
Publicado em 13.02.2021

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos