Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Amor ou pecado: o que pesa mais na divina balança do juízo final?

Uma cena poderosa, dramática, o «juízo universal» (Mateus 25,31-46), que, na realidade, é o desvelamento verdade última do viver, revelação daquilo que permanece não mais nada permanece: o amor.

O Evangelho responde à mais sérias das perguntas: que fizeste do teu irmão? E elenca seis obras, mas depois vai mais além: o que fizeste a um dos meus irmãos mais pequenos, a mim o fizeste! Extraordinário: Jesus estabelece um laço apertado entre si e os seres humanos, de tal maneira que chega a identificar-se com eles: fizeste-o a mim! O pobre é como Deus, corpo e carne de Deus. O céu onde o Pai habita são os seus filhos.

Destaco três palavras da passagem: 1) Deus é aquele que estende a mão, porque lhe falta algo. Revelação que revira as antigas ideias sobre o divino. É preciso enamorar-se deste Deus enamorado e precisado, mendigo de pão e de casa, que não procura veneração para si, mas para os seus amados. A todos quer saciados, vestidos, curados, libertados. E até quando houver um só sofredor, Ele também o será. Diante deste Deus encanto-me, acolho-o, entro no seu mundo.

2) A questão do juízo não é o mal, mas o bem. A medida do ser humano e de Deus, a medida última da história não é o negativo ou a sombra, mas o positivo e a luz. Os balanços de Deus não pesarão os pecados, mas a bondade; não pesam toda a minha vida, mas só a parte boa. Palavra do Evangelho: a verdade do ser humano não são as suas fraquezas, mas a beleza do coração. Juízo divinamente truncado, em cuja balança um pouco de bom trigo pesa mais do que toda a cizânia do campo.

3) Ao entardecer da vida seremos julgados só pelo amor, não pelas devoções ou ritos religiosos, mas pelo laico carregar da dor do ser humano. O Senhor não olhará para mim, mas à volta de mim, àqueles de quem assumi o cuidado. «Se me fecho no meu eu, ainda que seja adornado de todas virtudes, e não participo na existência dos outros, se não sou sensível e não me comprometo, posso inclusive estar privado de pecados, mas vivo numa situação de pecado» (G. Vannucci). A fé não se reduz. porém, a realizar boas ações, deve permanecer escandalosa: o pobre como Deus!

Um Deus enamorado que repete sobre cada filho o canto exultante de Adão: «Verdadeiramente tu és carne da minha carne, respiração da minha respiração, corpo do meu corpo». Depois há aqueles que são mandados embora. A sua culpa? Escolheram a distância: afastai-vos de mim, vós que vos afastastes dos irmãos. Não fizestes mal aos pobres, não os humilhastes, simplesmente não fizestes nada. Indiferentes, distantes, corações ausentes que não sabem nem chorar nem abraçar, vivos e já mortos (cf. C. Péguy).


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: styf22/Bigstock.com
Publicado em 19.11.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos