/head A porção dos pobres | Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

A porção dos pobres

«As pessoas santificam as festas: os ricos sentando-se à mesa, os pobres fazendo jejum.» Com a Epifania, a festas natalícias aproximam-se do epílogo. Em todas as religiões, o fazer festa compreende também um aspeto convivial que é expressão da comunhão entre alma e corpo, e das pessoas entre elas.

No termo da leitura da Lei, diante do povo judaico reunido junto à Porta das Águas, em Jerusalém, o sacerdote Esdras e o governador Neemias exortam o povo comovido e arrependido pelas suas culpas: «Este é um dia consa­gra­do ao Senhor, vosso Deus; não vos entristeçais nem choreis.» Pois todo o povo chorava ao ouvir as palavras da Lei. Então, Neemias disse-lhes: «Ide para as vossas casas, fazei um bom jantar, bebei vinho doce e re­parti com aqueles que nada têm prepa­rado; este é um dia grande, con­sagrado a Deus; não vos entris­te­çais, porque a alegria do Senhor é que é a vossa força» (Neemias 8,9-10).

Significativo é o apelo a re­partir com aqueles que nada têm prepa­rado, os pobres, para que todos, e não só os que estão bem, possam festejar. Infelizmente, demasiadas vezes, inclusive entre os cristãos, o egoísmo e a vida sossegada são mais fortes, e, com a desculpa de que não se pode pensar em todos em saciar cada miséria da Terra, as pessoas sentam-se à mesa sem hesitação (as refeições copiosas são, aliás, tema habitual dos noticiários televisivos natalícios).

Quem nos recorda o jejum dos pobres durante a festa é a frase acima citada, do poeta escocês (mas nascido em 1915 na Nova Zelândia) Sydney G. Smith, falecido em 1975.

É verdade que a nossa pequena renúncia, o gesto modesto, é só uma gota no oceano da miséria de tantas pessoas. Mas é precisamente de gotas que é feito o mar do bem e da generosidade; se ninguém fizesse faltar a sua gota, isso saciaria a imensa difusão da pobreza.


 

P. (Card.) Gianfranco Ravasi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: DeepPixel/Bigstock.com
Publicado em 08.01.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos