Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Deus supera todas as barreiras, das erguidas pelos poderosos às do meu passado tortuoso

Uma página solene (Lucas 3, 1-6), quase majestosa, dá este domingo, segundo do Advento, início à atividade pública de Jesus. Um longo elenco de reis e sacerdotes traçam o mapa do poder político e religioso do tempo, e depois, inesperadamente, a mudança de rumo, a reviravolta.

A Palavra de Deus voa para longe do templo e das grandes capitais, do sacerdócio e das câmaras do poder, e chega a um jovem, filho de sacerdote e amigo do deserto, do vento sem obstáculos, do silêncio vigilante, onde cada sussurro chega ao coração.

João ainda não tem 30 anos e já aprendeu que as únicas palavras verdadeiras são as que se tornam carne e sangue. Que não se tiram de um bolso, já prontas, mas das entranhas, que te fazem sofrer e rejubilar.

Eis que a Palavra de Deus vem sobre João, filho de Zacarias, no deserto. Não é o anunciador que leva o anúncio, é o anúncio que o leva, que o persegue, que o impele: e percorria toda a região do Jordão.

A Palavra de Deus está sempre em voo à procura de homens e mulheres, simples e verdadeiros, para criar inícios e processos novos. Endireitai, aplanai, tapai… Aquele jovem profeta algo selvático descreve uma paisagem áspera e difícil, que tem os traços duros e violentos da história: toda a violência, toda a exclusão e injustiça são montes a abater.



Quem conta verdadeiramente na história? Quem mora num palácio? Herodes será recordado apenas porque tentou matar aquele Menino; Pilatos porque o condenou. Conta verdadeiramente quem se deixa habitar pelo sonho de Deus, pela sua Palavra



A abater é também a nossa geografia interior: um mapa de feridas nunca curadas, de abandonos sofridos ou infligidos, os medos, as solidões, o desamor… Há trabalho a fazer, um trabalho enorme: aplanar e tapar, para se ser simples e linear. E se eu nunca for uma auto-estrada, não importa, serei uma pequena vereda ao sol.

Evangelho que conforta: mesmo que os poderosos do mundo ergam barreiras, cortinas de mentiras, muros nas fronteiras, Deus encontra o caminho para chegar até mim e pousar-me a mão no ombro, a palavra no colo, nada o detém.

Quem conta verdadeiramente na história? Quem mora num palácio? Herodes será recordado apenas porque tentou matar aquele Menino; Pilatos porque o condenou. Conta verdadeiramente quem se deixa habitar pelo sonho de Deus, pela sua Palavra.

A última linha do Evangelho é belíssima: cada ser humano verá a salvação. Cada ser humano? Sim, exatamente isto. Deus quer que todos sejam salvos, e não se deterá diante de ravinas ou montanhas, nem sequer perante a tortuosidade do meu passado ou dos cacos da minha vida.

Uma das frases mais impressionantes do Concílio Vaticano II afirma: «Já que por todos morreu Cristo (32) e a vocação última de todos os homens é realmente uma só, a saber, a divina, devemos manter que o Espírito Santo a todos dá a possibilidade de se associarem a este mistério pascal por um modo só de Deus conhecido» (Gaudium et spes, 22).

Cristo alcança todo o ser humano, todos os seres humanos, e o amor é a sua estrada. E não há nada genuinamente humano que não chegue ao coração de Deus.


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: dellm60/Bigstock.com
Publicado em 08.12.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos