Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Tocar as coisas de Deus no templo, e não tocar as criaturas de Deus na estrada

A extraordinária inteligência comunicativa de Jesus: desvela o coração profundo, inventando uma história simples, que todos podem compreender, os professores como as crianças!

As parábolas são narrativas que provêm da voz viva de Jesus, é como escutar o murmúrio da fonte, o momento inicial, fresco, espontâneo do Evangelho. Representam o cume mais alto e genial, o mais acabado da sua linguagem, não a exceção. Para Ele, falar em parábolas era a norma. Ensinava não por conceitos, mas por imagens e histórias, que libertam e não constrangem.

Um homem descia de Jerusalém para Jericó (cf. Lucas 10, 25-37). Uma das histórias mais belas do mundo. Um homem descia, e nem um adjetivo: judeu ou samaritano, justo ou injusto, rico ou pobre, pode ser até um desonesto, um bandido: é o homem, cada homem!

Não sabemos o seu nome, mas sabemos da sua dor: ferido, golpeado, terror e sangue, rosto por terra, não se consegue recuperar por si só. É o homem, é um oceano de homens, de pobres derrubados, humilhados, bombardeados, naufragados, bolsas de humanidade ensanguentada em cada continente. O mundo inteiro desce de Jerusalém para Jericó, sempre.

O sacerdote e o levita, os primeiros que passam, têm diante de si um dilema: transgredir a lei do amor ao próximo, ou a aquela do ficarem puros, evitando o contacto com o sangue. Escolhem a coisa mais cómoda e mais fácil: não tocar, não intervir, passar em volta do homem, e… permanecer puros. Pelo menos exteriormente. Enquanto que por dentro, o coração adoece.

Tocam as coisas de Deus no templo, e não tocam as criaturas de Deus na estrada. A sua religião é meramente de fachada, e não fé que acende a vida e as mãos. A mensagem é forte: gestos e objetos religiosos, ritos e regras “sagradas” podem obscurecer a lei de Deus, fingir a fé que não há, e usá-la a bel-prazer. Pode acontecer também a mim, se troco a alma do Evangelho, o seu fogo, por pequenas normas e gestos astutos.

Quem faz emergir a alma profunda é um herege, um estrangeiro, um samaritano em viagem: vê-o, tem compaixão dele, faz-se próximo. São termos de uma carga infinita, belíssima, transbordam humanidade. A compaixão vale mais do que regras cultuais ou litúrgicas (do sacerdote e do levita); mais do que regras doutrinais (o samaritano é um herege); supera as leis étnicas (é um estrangeiro); ignora as distinções moralistas: socorro aquele que o merece, os outros não.

A divina compaixão é assim: incondicional, assimétrica, unilateral. No centro do Evangelho, uma parábola, um homem. E o sonho de um mundo novo, que estende as suas asas aos primeiros três gestos do bom samaritano: viu, teve compaixão, fez-se próximo.


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: "Parábola do bom samaritano" | Balthasar van Cortbemde | 1647
Publicado em 11.07.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos