Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Renunciar para florir

A nossa vida põe-se a caminho, avança, corre atrás de um desejo forte que nasce de uma ausência ou de um vazio que pedem para ser preenchidos. O que é que faltava aos quatro pescadores do lago para os convencer a abandonar barcos e redes e a porem-se a caminho atrás daquele desconhecido chamado Jesus (Lucas 5, 1-11), sem sequer lhe perguntar para onde é que Ele os levaria?

Tinham trabalho e saúde, uma casa, uma família, a fé, tudo o necessário para viver, e todavia faltava alguma coisa. E não era uma ética melhor, não era um sistema de pensamento mais evoluído. Faltava um sonho. Jesus é o guardião dos sonhos da humanidade: sonhou para todos céus novos e terre nova.

Os pescadores sabiam de cor o mapa das rotas do lago, da pequena cabotagem diária entre Betsaida, Cafarnaum e Magdala, atrás das deslocações dos peixes. Mas sentiam em si o apelo a mais, o chamamento de uma vida de respiração mais ampla.

Jesus oferece-lhes o mapa do mundo, melhor, de outro mundo possível; oferece uma navegação outra: aquela que conduz ao coração da humanidade - «farei de vós pescadores de homens»; arrancar-vos-ei do mar onde acreditam que vivem mas não vivem, recolher-vos-ei para a vida, e mostrar-vos-ei que sois feitos para outra respiração, outra luz, outro horizonte. Sereis na vida doadores de mais vida.



O que impele Pedro a confiar? Não discursos, apenas olhares, mas para Jesus olhar uma pessoa e amá-la eram a mesma coisa. Simão sente-se amado



Por três vezes Jesus dirige-se a Simão. Começa por lhe pedir que se afaste da margem, pede um favor, Ele é o Senhor que nunca se impõe, não invade as vidas.

Depois, pede-lhe para lançar as redes. Dentro de si, Simão talvez quisesse apenas regressar à margem e descansar, mas alguma coisa faz com que diga: está bem, à tua palavra lançarei as redes. O que impele Pedro a confiar? Não discursos, apenas olhares, mas para Jesus olhar uma pessoa e amá-la eram a mesma coisa. Simão sente-se amado.

Não temas, diz Jesus. É o futuro que se abre. Jesus vê-me para além de mim, vê primaveras nos nossos invernos e futuro que já germina. E as redes enchem-se.

Diante do prodígio, Simão sente-se aturdido: Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador. Jesus responde com uma reação belíssima: não o nega, mas não se deixa impressionar pelos defeitos de ninguém, dentro do presente, qualquer que seja, Ele cria futuro.

Os pescadores abandonam os barcos repletos do seu pequeno tesouro de peixes, precisamente no momento em que faria mais sentido ficar, seguindo o Mestre para um outro mar. Vão atrás dele e vão em direção ao ser humano, essa dupla direção que conduz ao coração da vida.

Quem como eles o fez, experimentou que Deus enche as redes, enche a vida, multiplica liberdade, coragem, fecundidade, não rouba nada e dá tudo. Porque para Ele, renunciar é igual a florir.


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: kwanchai.c/Bigstock.com
Publicado em 19.02.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos