Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Quem ora transforma-se naquele que contempla

Jesus toma consigo Pedro, João e Tiago, e sobre com eles a um monte para orar (cf. Lucas 9,28-36). A montanha é terra que se faz vertical, a mais próxima do céu, onde pousam os pés de Deus, diz o profeta Amós. Os montes são dedos apontados para o mistério e a profundidade do cosmo, para o infinito, são a terra que penetra no céu.

Jesus sobe para orar. A oração é precisamente penetrar no coração de luz de Deus. E descobrir que somos todos mendigos de luz. Segundo uma parábola hebraica, Adão, no princípio, estava revestido por uma pele de luz, era o seu confim de céu. Depois, após o pecado, a túnica de luz foi coberta por uma túnica de pele. Quando chegar o Messias, a túnica de luz emergirá de novo, de dentro do homem finalmente nascido, dado à luz.

Enquanto orava, o rosto de Jesus mudou de aspeto. Orar transforma: tornas-te naquele que contemplas, naquele que escutas, naquilo que amas, tornas-te como Aquele a quem oras. Palavra de Salmo: «Olhai para Deus e ficareis radiantes» (34,6).

Olham-no os três discípulos, emocionam-se, estão aturdidos, puderam lançar um olhar para o abismo de Deus. Um Deus a fruir, um Deus a maravilhar, e que em cada filho semeou uma grande beleza. Rabi, que belo estar aqui! Façamos três tendas. Estão debaixo do sol de Deus, e o entusiasmo de Pedro, a sua exclamação siderada – que belo! – fazem-nos compreender que a fé, para ser pão, para ser vigorosa, deve descender de um espanto, de um enamoramento, de um «que belo!» gritado a plenos pulmões.

É belo estar aqui. Aqui estamos em casa, fora daqui estamos sempre fora de lugar; fora daqui não é belo, aqui apareceu a beleza de Deus e a do rosto alto e puro do ser humano. Por isso, «temos de desviar o significado de toda a catequese, de toda a moral, de toda a fé: deixar de dizer que a fé é coisa justa, santa, obrigatória (e mortalmente aborrecida, acrescentam muitos), e começar a dizer uma outra coisa: Deus é belíssimo» (H.U.von Balthasar).

Mas como todas as coisas belas, a visão não foi mais que a flecha de um instante: vem uma nuvem, e da nuvem uma voz. Só por duas vezes o Pai fala no Evangelho: no Batismo e sobre o monte. Para dizer: é o meu Filho, amo-o. Agora acrescenta um mandamento novo: escutai-o.

O Pai toma a palavra, mas para desaparecer por trás da palavra do Filho: escutai-o. A religião judaico-cristã funda-se na escuta, e não na visão. Sobes ao monte para ver o Rosto e és redirecionado para a escuta da Voz. Desces do monte e fica na tua memória o eco da última palavra: escutai-o. O mistério de Deus está agora todo dentro de Jesus, a Voz que se tornou Rosto, o visível falar do Pai; dentro de Jesus: beleza do viver oculto, como uma gota de luz, no coração vivo de todas as coisas.


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: "A transfiguração" (det.) | Rafael | 1518-1520 | Museus do Vaticano
Publicado em 14.03.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos