Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Quando a depressão chega aos padres

A Conferência Episcopal Francesa publicou, a 25 de novembro, um estudo inédito sobre a saúde dos padres diocesanos em atividade, que obteve 42% de respostas, num total de 6400 inquiridos. Entre os vários resultados apurados, conclui-se que, em 2020, 7,4% dos sacerdotes sofreram de depressão.

Durante o período do estudo realizado pela Union Saint Martin, encomendado pelos bispos católicos, dois padres suicidaram-se, a 21 e 23 de agosto, o que alarmou profundamente o episcopado.

Além do esgotamento (“burn-out”) severo que atinge 2% dos sacerdotes respondentes (todos com menos de 75 anos), a investigação revela que 45% declaram doença crónica, nomeadamente dores nas costas e cervicais.

A maioria dos padres realiza atividade física regular, mas cerca de 63% têm excesso de peso, e em 20% foi diagnosticada obesidade. Mais de 8% dos inquiridos têm risco crónico ou de dependência do álcool.

Metade dos sacerdotes vive só, o que, muitas vezes, aumenta a negligência em relação à sua saúde física e mental. E 40% consideram que o seu ministério não é acompanhado pessoalmente como deveria.



Falar de Deus não é académico. Quando o padre está só, a sua vida espiritual está em perigo. O laço entre o padre e os paroquianos distendeu-se, atualmente. O padre tornou-se “prestador de serviços”»



De acordo com o Episcopado, entre os «principais ensinamentos» do estudo está um estado de saúde «bastante satisfatório, mas uma mais forte prevalência de doença crónica, acentuada nos mais idosos».

Nota-se uma «forte prevalência dos estados depressivos qualquer que seja a idade, acentuada pelo isolamento no seu lugar de vida e a ausência de apoio (pastoral e material)», a par da fraca «realização pessoal» para 40% dos respondentes.

Regista-se, também, «forte prevalência do excesso de peso e da obesidade», problemas ligados ao abuso de álcool para dois padres em cada cinco são também destacados pelos bispos, que se congratulam com as «práticas preventivas», que, apesar de poderem ser melhoradas, «são de bom nível».

Para o P. Patrice Gourrier, psicólogo clínico que recebe, regularmente, sacerdotes em dificuldade, «os números [da depressão] são gigantescos». A doença, acrescenta, «é a consequência da perda de sentido do ministério do padre. O padre não é acompanhado. Ser padre, hoje, é extremamente difícil».

O sacerdote de 60 anos também aponta «uma falta de referências, para os padres, uma cacofonia eclesial. A Igreja católica está profundamente dividida, hoje».

«Há uma indigência na formação do padre ao nível espiritual, nomeadamente no Ocidente. Falar de Deus não é académico. Quando o padre está só, a sua vida espiritual está em perigo. O laço entre o padre e os paroquianos distendeu-se, atualmente. O padre tornou-se “prestador de serviços”», considera o sacerdote de 60 anos ouvido pelo jornal “Le Figaro”.



Imagem

Figura 1. Legenda, da esquerda para baixo. Idade; menos de 40 anos; 40-64 anos; 65-75 anos | Origem; estrangeira; francesa | Localização de atividade: semiurbana; urbana; rural | Anos de ordenação: 20 anos ou mais; menos de 10 anos; 10 a 19 anos | Ministério exercido: sem ministério; trabalho assalariado; estudo; outro; ensino; serviço diocesano; em capelanias; em paróquia


Imagem

Figura 2. Legenda, da esquerda para baixo. Repouso semanal: nenhum; meio dia; um dia | Férias: nenhumas; 1 a 2 semanas por ano; 3 a 4 semanas por ano | Deslocações: menos de 200 km por mês; mais de 1200 km por mês; entre 2000 e 5000 km por mês | Carga de trabalho: sobrecarga permanente; carga normal; sobrecarga ocasional


Imagem

Figura 3. Legenda, da esquerda para baixo. Lugar de vida: em equipa sacerdotal; sozinho | Tarefas de gestão: sem ajuda; com ajuda | Lazer


Imagem

Figura 4. Legenda, da esquerda para baixo. Grupos de Palavra: pouca ou nenhuma participação; participação regular | Apoio familiar e amigos: frequente; sempre | Acompanhamento individual: sem acompanhamento; acompanhado | Apoio dos colegas: sempre ou frequente; nunca | Estima hierárquica: sentem-se sempre estimados pelo justo valor pelos seus superiores; sentem-se por vezes estimados pelo justo valor pelos seus superiores; nunca se sentem estimados


Imagem

Figura 5. Legenda, da esquerda para baixo. Atividade física: pouca ou nunca; uma vez por semana; todos os dias/várias vezes por semana | Álcool: consumidores; não-consumidores | Tabaco: grandes fumadores; fumadores; não fumadores | Autodiagnóstico de saúde: outro; sentem-se com muito boa saúde; sentem-se com boa saúde; sentem-se com saúde suficiente


Imagem

Figura 6. Legenda, da esquerda para baixo. Problemas de saúde: outros; nenhum durante os últimos 12 meses; pelo menos dois nos 12 últimos meses | Exames de saúde: outro; foram submetidos a exame periódico durante os últimos cinco anos | Índice de massa corporal: obesidade; excesso de peso; fraco ou normal


Imagem

Figura 7. Legenda, da esquerda para baixo. Depressão: apresentam síndroma depressiva; não apresentam síndroma depressiva | Realização: grau elevado; grau fraco | Esgotamento: grau elevado; “burn-out” completo; sem esgotamento; grau fraco


 

Rui Jorge Martins
Fontes: Conferência Episcopal Francesa, Le Figaro
Imagem: wombatzaa/Bigstock.com
Publicado em 12.12.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos