Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Para se tornar bem-aventurado, não é preciso ser herói de vez em quando, mas testemunha todos os dias»

A «inversão» das bem-aventuranças foi o centro da homilia da missa a que o papa presidiu, na catedral caldeia de S. José, em Bagdade, poucas horas depois de o primeiro-ministro do Iraque, Mustafa al-Kadhimi, ter declarado a data de hoje, 6 de março, Dia Nacional da Tolerância e Coexistência no Iraque, fixando para a posteridade o «encontro histórico» entre Francisco e o aiatóla Ali al-Sistani, que decorreu na manhã de sábado, na cidade de Najaf.

«Os pobres, os que choram, os perseguidos são declarados bem-aventurados. Como é possível? Bem-aventurados, para o mundo, são os ricos, os poderosos, os famosos! Vale quem tem, quem pode, quem conta! Para Deus, não: não é maior quem tem, mas quem é pobre em espírito; não quem pode tudo sobre os outros, mas quem é manso com todos; não quem é aclamado pelas multidões, mas quem é misericordioso com o irmão», declarou Francisco.

Esta contraposição entre a sabedoria de Jesus que aprofunda a que emergiu no Antigo Testamento, em particular em terras iraquianas, e a mundana, pode suscitar a dúvida: «Se vivo como Jesus pede, que ganho com isso? Não corro o risco de ser espezinhado pelos outros? A proposta de Jesus será conveniente? Ou é perdedora? Não é perdedora, mas sapiente. A proposta de Jesus é sapiente, porque o amor, que é o coração das bem-aventuranças, embora pareça frágil aos olhos do mundo, na realidade vence».

Viver as bem-aventuranças em tempos de crescente «desigualdade inaceitável» entre pobres e ricos, não exige o extraordinário, mas a consistência da «mansidão» e «misericórdia»: «Para se tornar bem-aventurado, não é preciso ser herói de vez em quando, mas testemunha todos os dias».



«Querida irmã, querido irmão, talvez olhes para as tuas mãos e te pareçam vazias, talvez sintas insinuar-se no coração a desconfiança e penses que a vida é injusta contigo. Se tal suceder, não temas!»



«O testemunho é o caminho para encarnar a sabedoria de Jesus. É assim que se muda o mundo: não com o poder nem com a força, mas com as bem-aventuranças. Pois foi assim que fez Jesus, vivendo até ao fim aquilo que dissera ao início. Tudo se resume em testemunhar o amor de Jesus», frisou o papa.

Com efeito, insistiu, o amor é «a força de tantos irmãos e irmãs» vítimas «de preconceitos e ofensas, sofreram maus tratos e perseguições pelo nome de Jesus. Mas, enquanto o poder, a glória e a vaidade do mundo passam, o amor permanece».

Para um país e uma região longamente atingidos pela violência, pobreza, luto, ausência de horizonte, e também para quem, em qualquer lugar do mundo se encontra em desespero, Francisco tem uma mensagem.

«Querida irmã, querido irmão, talvez olhes para as tuas mãos e te pareçam vazias, talvez sintas insinuar-se no coração a desconfiança e penses que a vida é injusta contigo. Se tal suceder, não temas! As bem-aventuranças são para ti, para ti que estás na aflição, com fome e sede de justiça, perseguido. O Senhor promete que o teu nome está escrito no seu coração, nos Céus», assinalou.



Às 6h00, o papa parte, de helicóptero, em direção a Mossul, onde, uma hora depois, profere, na praça da igreja, uma oração de sufrágio pelas vítimas da guerra



O papa evocou as testemunhas «muitas vezes transcuradas nos noticiários mas preciosas aos olhos de Deus; testemunhas que, vivendo as bem-aventuranças, ajudam Deus a realizar as suas promessas de paz».

No domingo, Francisco sai do aeroporto de Bagdade às 4h15 (hora de Lisboa, mais três horas no Iraque) rumo a Erbil, onde, pelas 5h20, é acolhido pelas autoridades religiosas e civis da Região Autónoma do Curdistão Iraquiano, seguindo-se o encontro com o seu presidente e o primeiro-ministro.

Às 6h00, o papa parte, de helicóptero, em direção a Mossul, onde, uma hora depois, profere, na praça da igreja, uma oração de sufrágio pelas vítimas da guerra. Às 7h55 nova deslocação, igualmente de helicóptero, para Qaraqosh, para visitar, na igreja da Imaculada Conceição (8h30), a comunidade católica, que organizou uma vigília de oração preparatória (vídeo abaixo).

O programa prossegue às 9h15, com o regresso a Erbil, cidade onde preside à missa (13h00). A viagem de retorno à capital iraquiana está prevista para as 15h10, esperando-se que a chegada ao aeroporto ocorra pelas 16h15.









Imagem Mapa da visita do papa Francisco ao Iraque | 5-8.3.2021

 

Rui Jorge Martins
Fonte: Sala de Imprensa da Santa Sé
Imagem: D.R.
Publicado em 06.03.2021

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos