Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O papa conheceu o “Homem-Aranha” que despede a solidão e alegra as crianças doentes

O Homem-Aranha é realmente um super-herói bom: à “civil” é um empregado numa empresa, mas quando veste o seu fato eis que, num piscar de olhos, está junto às camas das crianças internadas nos hospitais.

Esta manhã, no Vaticano, este Homem-Aranha não só entregou ao papa Francisco a sua máscara como revelou a sua identidade – Mattia Villardita, de 28 anos – e o destino da sua próxima missão: a pediatria do hospital Agostino Gemelli, ligado à Igreja católica, em Roma, aonde se dirigirá com a banda musical de uma das forças policiais italianas.

«Visto-me de Homem-Aranha para arrancar um sorriso aos mais pequenos que estão no hospital; faço-o porque tive uma doença congénita, durante 19 anos entrei e sai do hospital pediátrico Gaslini de Génova, e teria gostado muitíssimo, quando estava ali, sozinho, na minha caminha, de ver o Homem-Aranha entrar pela janela do meu quarto.»

Mattia fundou a associação Supereroincorsia: «Somos um grupo de jovens comprometidos no voluntariado que, travestidos de “heróis”, levamos momentos de despreocupação às unidades de pediatria».



Imagem D.R.


«Vesti pela primeira vez esta máscara há quatro anos, no Natal: tinha de entregar um computador a um departamento pediátrico, e inventei algo que pudesse divertir as crianças que estava, a viver aquilo que eu também vivi», explicou.

Durante o confinamento, o Homem-Aranha não ficou parado: «Fiz mais de 1400 videochamadas, dado que não podia ir pessoalmente». Mattia segue as crianças, sempre através do contacto contínuo com os pais, mesmo quando regressam a casa: «Organizamos festas-surpresa ou, mais simplesmente, a entrega de uma pizza».

Em dezembro, o presidente da República italiana, Sergio Mattarella, conferiu-lhe uma condecoração, pelo «altruísmo e as fantasiosas iniciativas com que contribui para aliviar o sofrimento dos mais jovens pacientes hospitalares», lê-se na declaração que justifica a distinção. Poderia ser a definição perfeita de super-herói, alguém que procura tornar o mundo melhor do que o encontrou».

Durante a audiência desta manhã, o papa Francisco conheceu também a “avó Alba”, acompanhada pelo neto, que com o entusiasmo dos seus 95 anos conseguiu derrotar o Covid – um testemunho para o Dia Mundial dos Avós e Idosos, que, a 25 de julho, se celebrará  pela primeira vez.


 

Giampaolo Mattei
In Vatican News
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Vatican News
Publicado em 23.06.2021

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos