Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Maria Rueff lê Etty Hillesum

«Um guarda com uma expressão maravilhada está a apanhar flores roxas de tremoceiro, a arma pendurada às costas. Ao olhar para a esquerda, vejo nuvens de fumo branco a elevar-se e ouço o barulho de uma locomotiva. As pessoas já se encontram nos vagões de mercadorias, as portas fecham-se. Há muitos polícias verdes, que esta manhã chegaram a marchar, cantando, ao lado do comboio, e a polícia militar holandesa também está presente. A quota de pessoas que devem partir ainda não está preenchida.

Acabo de ver uma mãe a sair do orfanato, trazendo nos braços uma criança pequena que também tem de ir, sozinha. Retiraram ainda umas quantas pessoas doas barracões-hospital. Hoje estão a trabalhar a sério; estão cá de visita manda-chuvas de Haia. É muito estranho observar de perto estes cavalheiros nos seus afazeres. Andei novamente atarefada desde as quatro da manhã, a carregar bebés e bagagem. Nestas poucas horas, conseguimos acumular melancolia que chegue para uma vida inteira.»

Na abertura do congresso internacional sobre Etty Hillesum, que decorreu este sábado, na capela do Rato, em Lisboa, a atriz Maria Rueff deu voz a uma das missivas da jovem judia, escrita no campo de Westerbork, a 8 de junho de 1943, menos de seis meses antes de morrer em Auschwitz. O texto integra o volume “Cartas 1941-1943”, editado pela Assírio & Alvim na coleção Teofanias.









 

Rui Jorge Martins
Imagem: Maria Rueff | 18.5.2019 | Capela do Rato, Lisboa
Publicado em 20.05.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos