Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Em Nazaré nasce o sonho de um mundo novo

Todos os olhos estavam fixos nele (Lucas 1,1-4; 4,14-21). Parecem mais atentos à pessoa que lê do que à palavra proclamada. Estão curiosos, conhecem bem aquele jovem, há pouco regressado a casa, na vila onde tinha crescido alimentado, como pão bom, pelas palavras de Isaías que proclama agora.

«Palavras tão antigas e tão amadas, tão rezadas e tão ansiadas, tão próximas e tão longínquas. Anúncio de um ano de graça, de que Jesus exala os sinais no submundo da humanidade» (R. Virgili).

Jesus diante daquela pequeníssima comunidade apresenta o seu sonho de um mundo novo. E são apenas palavras de esperança para quem está exausto, ou é vítima, ou não aguenta mais: vim para encorajar, trazer boas notícias, libertar, a voltar a dar a vista.

É um texto fundamental e belíssimo, que não descreve “como” Jesus nasceu, mas “porque” nasceu. Que volta a dar força para lutar, abre o céu aos caminhos da esperança. Pobres, cegos, oprimidos, prisioneiros: são estes os nomes do ser humano. Adão tornou-se assim, por isso Deus torna-se Adão.

E o propósito que Jesus persegue não é o de ser finalmente adorado e obedecido por estes filhos distraídos, mesquinhos e esplêndidos que nós somos. Deus não põe como fim da história a si próprio ou os seus direitos, mas homens e mulheres de coração libre e forte. E curados, e com olhos novos que veem longe e na profundidade. E que a nossa história não mais produza pobres e prisioneiros.



Deus existe por mim, eu sou o propósito da sua existência. O nosso Deus ama primeiro, ama em perda, ama sem fazer contas, ama de amor unilateral



Jesus não se interroga se aquele prisioneiro é bom ou mau; não lhe importa se o cego é honestou ou pecador, se o leproso merece ou não ser curado. Há escuridão e dor, e é o que basta para ferir o coração de Jesus. Só assim a graça é graça, e não cálculo ou mérito. É impensável no Reino uma frase como: «É culpado, deve ir para a prisão».

O programa de Nazaré coloca-nos diante de um dos paradoxos do Evangelho. O catecismo que memorizámos dizia: «Fomos criados para conhecer, amar, servir Deus nesta vida, e depois desfrutar dele na eternidade». Mas no seu primeiro anúncio, Jesus diz outra coisa: não é o ser humano que existe para Deus, mas é Deus que existe para o ser humano.

Há um frémito emocionante por poder pensar: Deus existe por mim, eu sou o propósito da sua existência. O nosso Deus ama primeiro, ama em perda, ama sem fazer contas, ama de amor unilateral.

A boa notícia de Jesus é um Deus sempre em favor do ser humano, e nunca contra ele, que o coloca no centro, que se esquece de si próprio para mim, e aplica o seu poder de libertação contra todas as opressões externas, contra todos os fechamentos internos, para que a história se torne totalmente “outra” daquilo que é. E cada ser humano seja finalmente promovido a ser humano, e a vida floresça em todas as suas formas.


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Publicado em 24.01.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos