Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Cristãos de todo o mundo aderem ao convite do papa à oração em conjunto do Pai-nosso

«Daqui a pouco, ao meio-dia, nós, pastores das várias Comunidades cristãs, juntamente com os fiéis das diveras confissões, reunir-nos-emos espiritualmente para invocar Deus com a oração do Pai-nosso»: foi com estas palavras que o papa lembrou, esta manhã, no Vaticano, a prece para a qual convidou, no domingo, todos os cristãos do mundo, para suplicar a Deus o fim da pandemia.

Cristãos ortodoxos, evangélicos e anglicanos de vários pontos do globo anunciaram a adesão ao convite, e muitas igrejas no mundo católico vão tocar os sinos antes do meio-dia, para congregar os fiéis no interior das suas casas, ao passo que as dioceses se mobilizaram para ecoar o apelo a esta prece.

«Unamos as nossas vozes de súplica ao Senhor nestes dias de sofrimento, quando o mundo é duramente provado pela pandemia. Queira o Pai, bom e misericordioso, escutar a oração concorde dos seus filhos, que com confiante esperança se dirigem à sua omnipotência», afirmou Francisco.

A oração será proferida no patriarcado ecuménico de Constantinopla, a Conferência das Igrejas Europeias, associação ecuménica entre Igrejas cristãs do velho continente, e o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, que dirige a comunhão anglicana afirmou, em mensagem no Twitter: «Rezaremos o Pai-nosso com o papa Francisco e milhões de pessoas no mundo. Por favor, une-te a nós onde quer que estejas».

No Vaticano, o papa recitará o Pai-nosso na biblioteca apostólica ao meio-dia local (11h00 em Portugal continental, 8h00 no Brasil, 12h00 em Angola, 13h00 em Moçambique, 10h00 em Cabo Verde, 11h00 na Guiné-Bissau, 20h00 em Timor-Leste), antes da oração do Angelus e do terço diário, presididos, a partir da basílica de S. Pedro, pelo cardeal Angelo Comastri, transmissões que pode seguir, em direto, em baixo.

Antes de recitar o Pai-nosso, Francisco implorou a misericórdia divina:

«Queridos irmãos e irmãs, hoje, marcamos um encontro, todos os cristãos do mundo, a fim de rezar juntos o Pai-Nosso, a oração que Jesus nos ensinou. Como filhos confiantes, voltamo-nos para o Pai. Fazemos isso todos os dias, várias vezes ao dia, mas agora queremos implorar misericórdia pela humanidade provada duramente pela pandemia de coronavírus. E fazemos isso juntos, cristãos de todas as Igrejas e Comunidades, de todas as idades, línguas e nações. Rezemos pelos doentes e suas famílias, pelos profissionais de saúde e aqueles que os ajudam, pelas autoridades, pelos polícias e voluntários, e pelos ministros das nossas comunidades.

Hoje, muitos de nós celebram a Encarnação do Verbo no ventre da Virgem Maria, quando no seu “eis-me aqui”, humilde e total, se refletiu o "eis-me aqui” do Filho de Deus. Nós também nos entregamos com total confiança às mãos de Deus e num só coração e numa só alma rezemos: Pai nosso...».








 

Rui Jorge Martins
Fonte: Vatican News
Imagem: Papa Francisco | D.R.
Publicado em 25.03.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos