Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Bíblia, Clarice Lispector, Manoel de Barros e Adélia Prado no retiro de D. Tolentino Mendonça aos bispos do Brasil

A Bíblia, textos da Tradição da Igreja e autores brasileiros como Clarice Lispector, Manoel de Barros e Adélia Prado constituíram as fontes do arcebispo D. Tolentino Mendonça para introduzir o retiro aos bispos do Brasil, que orientou este sábado e domingo.

«Vamos andar à volta da figura de São Pedro, nos passos das aparições bíblicas. O pastor não nasce de geração espontânea, mas um bispo constrói-se espiritualmente, como Pedro se construiu nos encontros com Jesus. Que a Igreja se assuma dependente da pessoa de Jesus», afirmou.

As palavras do prelado aos jornalistas antecederam o início do encontro, integrado no programa da assembleia-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, que decorre no santuário de Aparecida, centro espiritual católico do país.

O bibliotecário e arquivista do Vaticano evocou Clarice Lispector e a crónica “Ato gratuito”: «Percebi que estava sedenta. (…) Então minha própria sede guiou-me. Eram 2 horas da tarde de verão. Interrompi meu trabalho, mudei rapidamente de roupa, desci, tomei um táxi que passava e disse ao chofer: vamos ao Jardim Botânico. “Que rua?”, perguntou ele. “O senhor não está entendendo”, expliquei-lhe, “não quero ir ao bairro e sim ao Jardim do bairro.” Não sei por que olhou-me um instante com atenção. Eu ia ao Jardim Botânico para quê? Só para olhar. Só para ver. Só para sentir. Só para viver».



«Somos noivo e noiva, Cristo e sua Igreja. É o momento de circular amor. O primado de Pedro outra coisa não é do que o primado do amor. E o primado que o bispo testemunha na sua Igreja outra coisa não é do que o primado do amor de Cristo»



«Há uma sede em nós que não tornamos oficial, explícita na nossa vida. Pode acontecer que seja difícil praticar esse tempo. Talvez seja mais fácil fugir. Contudo, a sede está lá e não podemos fazer conta de que a sede não existe. Nós, bispos, a sede de Deus existe. Não somos aqueles que temos Deus na mão ou que administramos Deus, mas somos mestres da fé porque somos sedentos de Deus. Ensinamos Deus porque nos sentimos tantas vezes vazios de Deus. Esta é a nossa realidade, a nossa experiência. Da aceitação desta realidade depende a qualificação espiritual de cada um», observou o poeta.

De Manoel de Barros, o biblista deteve-se na frase «as máquinas que servem para não funcionar: quando cheias de areia de formiga e musgo, elas podem um dia milagrar flores».

«A maior riqueza de um homem é a sua incompletude. Somos uma máquina que temos que funcionar, mas tem uma beleza e um sentido espiritual quando não funcionamos, quando aceitamos a nossa inutilidade, quando rezamos não por esta intenção ou aquela, mas um rezar simplesmente. Na nossa vida episcopal essa é uma falta grande, porque tudo tem que funcionar. É importante perceber que o abandono, o imprestável, o que não funciona, também ativa o milagre», comentou.

Do poema “Casamento”, de Adélia Prado, o prelado citou os últimos versos: «O silêncio de quando nos vimos a primeira vez/ atravessa a cozinha como um rio profundo./ Por fim, os peixes na travessa,/ vamos dormir./ Coisas prateadas espocam: somos noivo e noiva».

«Esse momento despretensioso que aqui estamos não é mais um momento qualquer, mas somos noivo e noiva, Cristo e sua Igreja. É o momento de circular amor. O primado de Pedro outra coisa não é do que o primado do amor. E o primado que o bispo testemunha na sua Igreja outra coisa não é do que o primado do amor de Cristo», declarou.

Centrando-se, no domingo, no episódio bíblico do pai misericordioso, ou do filho pródigo, D. Tolentino frisou que «misericórdia não é dar ao outro o que merece, mas oferecer ao outros precisamente o que o outro não merece».


 

Rui Jorge Martins
Fonte: CNBB
Imagem: Adélia Prado | D.R.
Publicado em 06.05.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos