Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Batizar um filho é um ato de justiça, para ele», afirma papa

O papa declarou hoje, na capela Sistina, Vaticano, que «batizar um filho é um ato de justiça, para ele», na homilia da missa em que concedeu o Batismo, a 32 bebés, na qual pediu aos pais para deixarem as crianças chorar nas celebrações.

«Nós, no Batismo, damos-lhe [aos filhos] um tesouro, nós, no Batismo, damos-lhe uma garantia: o Espírito Santo. A criança sai [do Batismo] com a força do Espírito dentro de si: o Espírito que a defenderá, a ajudará, durante toda a vida. Por isso é tão importante batizá-las em criança, para que cresçam com a força do Espírito Santo», salientou.

No dia em que a liturgia católica celebra o Batismo de Jesus, encerrando assim o tempo do Natal, Francisco realçou que a «luz» e a «força» do Espírito Santo é consolidada, ao longo do tempo, com «a catequese, a ajuda, o ensinamento, os exemplos» dados em casa.

Pelo facto de os bebés não estarem habituados a estar fechados num ambiente quente como o da capela Sistina, nem serem revestidos com as vestes cerimoniais para «uma festa tão bela», poderão, avisou o papa, sentir-se indispostos.

«E então começará um [a chorar], e o concerto ainda não começou, e depois começará outro. Não vos alarmeis, deixai chorar e gritar as crianças (…) [e, se necessário], amamentai-as, aqui, sim, sempre em paz», afirmou.

Para Francisco, «é uma bela pregação quando uma criança chora na igreja, é uma bela pregação. Fazei com que ela se sinta bem, e prossigamos. Não vos esqueçais: vós levais o Espírito Santo para dentro das crianças».

«Na festa do Batismo de Jesus, redescubramos o nosso Batismo. Como Jesus é o Filho amado do Pai, também nós, renascidos da água e do Espírito Santo, sabemos ser filhos amados, objeto do comprazimento de Deus, irmãos de muitos outros irmãos, investidos de uma grande missão para testemunhar e anunciar a todos os homens o amor sem fronteiras do Pai», frisou o papa a seguir à missa, antes da oração do Angelus.

«A comunidade cristã é chamada a ir ao encontro dos outros, propondo sempre, não impondo, dando testemunho, partilhando a vida concreta das pessoas», apontou.


 

Rui Jorge Martins
Fonte: Sala de Imprensa da Santa Sé
Imagem: Vatican News | D.R.
Publicado em 12.01.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos