Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

A pé, de bicicleta ou em casa, do Caminho nunca se volta igual

Como é conhecido, quando o dia de S. Tiago, 25 de julho, ocorre ao domingo, tem lugar o Ano Santo Compostelano. Seguramente, alguns de vós ou estais a planear fazer o Caminho, qualquer que seja a modalidade, e em grupos de amigos, família ou por paróquias. Há também quem o tenha traçado na solidão e o silêncio de caminhar só em companhia do pó do caminho, de fundir-se com o céu e a Criação, de refletir, de receber e dar solidariedade e desfrutar da companhia ocasional de quem faz o mesmo caminho e quer viver a mesma experiência.

Porém, todos temos ouvido contar algumas destas experiências, ou até temos alguém conhecido que fez o caminho. E em quase todos os casos, a experiência foi especial: «O Caminho muda-te», «não voltas igual», o Caminho «ajuda-te a encontrar-te a ti mesma» ou «voltarei a fazê-lo».

Seguir pelos Caminhos de Santiago com a ideia de buscar uma experiência espiritual única é uma decisão importante. Trata-se de uma peregrinação, e há que prepará-la, há que preparar-se e, sobretudo, há que colocar-se em «modo» de busca. Há um caminho físico, que se faz passo a passo, quilómetro a quilómetro, mas há um caminho espiritual que é interior, pessoal e único, onde se busca a conexão com o nosso interior, com a semente de Deus que levamos no nosso coração.

Quem peregrina tem ante si uma grande metáfora da vida que lhe permite libertar-se de tudo e buscar a experiência necessária a partir do anonimato e distante das etiquetas sociais, laborais ou religiosas. De facto, poderíamos dizer que quem peregrina a Santiago leva a sua vida e os seus anseios às costas, na sua pequena mochila.

São diversas as tradições que nos chegaram sobre Santiago, mas o certo é que a figura do apóstolo é um referente das primeiras comunidades cristãs, juntamente com Pedro e João. E destaca-se numa coisa, como recolhe o livro dos Atos dos Apóstolos: S. Tiago – apesar de possíveis reticências iniciais – toma decididamente partido pela universalidade da fé cristã, pelo acolhimento dos pagãos e para abrir as portas a todo o mundo: «Sou da opinião que não devemos pôr obstáculos àqueles pagãos que se convertem a Deus» (15, 19). E neste sentido a experiência do Caminho de Santiago tem, de alguma maneira, esta dimensão universal.

Estamos às portas de agosto, o mês que de algum modo marca a transição entre um ciclo e outro, que relaxa as nossas atividades pastorais e serve para trabalhar as propostas futuras. Quem sabe se em casa também experimentamos um mês diferente.

É certo que, neste ano de pandemia, o verão voltará a ser seguramente diferente para muitos de nós, mas também pode ser uma nova oportunidade de reencontro pessoal, percorrer uma espécie de Caminho de Santiago interior que nos ajude a libertar-nos dos medos que a pandemia nos trouxe, de vencer as dificuldades que apareceram nas nossas vidas e de enfrentar as perspetivas incertas que se depositaram nos nossos corações.

Como quando se faz o Caminho de Santiago, nos momentos atuais permitamos que nos escutemos a nós mesmos e descubramos as respostas às nossas perguntas mais importantes. Porque normalmente as respostas a essas perguntas Deus escreveu-as dentro dos nossos corações.


 

A partir de texto de D. Joan Planellas i Barnosell
Arcebispo de Tarragona, Espanha
In SIC
Trad./edição: Rui Jorge Martins
Imagem: Wanderlust Photos/Bigstock.com
Publicado em 23-07-2021 | Atualizado em 24.07.2021

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos