Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

A arte de escutar

Um dos verbos mais utilizados em toda a Bíblia é «escutar». Desde o início, o Povo de Deus pensou-se a si próprio como comunidade de escuta. Se há uma representação que exprime com fidelidade o que o Povo de Deus faz quando se congrega ou quando caminha ao longo da história, é a premissa do verbo escutar.

Organizamos o tempo como um ambiente habitável; aprendemos a abrir o coração como se este fosse o nosso ouvido principal; dispomos o corpo individual, e esse corpo coletivo que é a comunidade, a receber a palavra; unimo-nos uns aos outros numa assembleia heterogénea, mas fraterna, para viver a escuta.

Experimentámos a vinda de Deus através de uma Palavra que nos requer uma escuta total e comprometida. Mas sabemos que a escuta é uma arte que tem de ser trabalhada. «Quem tem ouvidos, escute!», insistia Jesus, recordando-nos assim que a escuta não é automática: exige a mobilização das nossas forças mais vitais.

Para escutar temos ainda, talvez, de silenciar a voz indistinta que nos captura, emudecer o rumor, fazer calar as resistências interiores que são muitas vezes uma concha que blinda a vida e não permitem à beleza da Palavra revelar-se.

Surpreendo-me por vezes a interrogar-me se, como diz a Carta aos Hebreus (4,12), a Palavra já me penetrou até às junturas e às medulas, até ao ponto de divisão da alma e do espírito.


 

D. José Tolentino Mendonça
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: D.R.
Publicado em 26.04.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos