Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

A arte de deter-se

A arte de deter-se é uma aprendizagem indispensável, ainda que seja muitas vezes esquecida. Quem não sabe deter-se, não sabe viver. Como há uma qualificação da existência que provém da ação, assim há outra que provém do repouso.

A vida não pode ser apenas um lugar para consumir e devorar. O marinheiro, quando parte para a grande aventura oceânica, deve certamente poder contar com o motor da sua embarcação, deve confiar-se ao bom estado do casco, da vela, dos remos; mas deve obrigatoriamente levar uma âncora, porque uma barca não pode navegar continuamente.

Do mesmo modo, um excursionista, quando prepara o seu percurso, deve prever não só a atividade, mas também os tempos e os lugares de pausa que lhe permitirão restaurar-se para poder retomar o caminho.

É verdade que, tendencialmente, nas nossas sociedades modernas, os estilos de vida se assemelham à cidade que nunca dorme. O tempo parece sempre escasso, em relação ao programa que nos impomos.

Gostaríamos que o tempo se dilatasse, e fosse aquilo que não é. Como o coelho de “Alice no país das maravilhas”, estamos sempre atrasados. Mas atrasados em relação a quê, nem sequer nós verdadeiramente o sabemos.

Se hoje vivemos num mundo de evasão, é porque somos mulheres e homens que não sabem ancorar a vida. E a vida acaba por se um vazio a que nada responde.


 

D. José Tolentino Mendonça
In Avvenire
trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: iamtui7/Bigstock.com
Publicado em 24.05.2019

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos