Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Documentário: "Vaticano II: Imagens e testemunhos"

Imagem Concílio Vaticano II | D.R.

Documentário: "Vaticano II: Imagens e testemunhos"

Na basílica de São Paulo Extramuros, onde a 25 de Janeiro de 1959 o concílio tinha sido anunciado de surpresa por João XXIII, na tarde de sábado 4 de 4ezembro de 1965 teve início a sua fase conclusiva com uma oração comum de Paulo VI, juntamente com os observadores não católicos. No momento do incenso, cânticos e trechos da Bíblia enlaçam-se em latim, inglês, francês, grego. Depois, em francês, o Papa lê um discurso com um exórdio comovedor: «A vossa partida causa em nossa volta uma solidão que antes do concílio não conhecíamos e que agora nos entristece; nós gostaríamos de vos ver sempre connosco!».

Homem dos sinais, depois da liturgia Montini ofereceu a cada um dos observadores uma campainha de bronze. «Conservai-a – recomenda-lhes Paulo VI – em recordação da nossa oração comum e na expectativa, até ao dia no qual soará a hora da nossa reunificação», como escreve no dia seguinte Henri de Lubac, que naquele domingo foi convidado pelo Pontífice para almoçar juntamente com Jean Guitton e Oscar Cullmann. Um facto para a época excecional, mas que Montini explica com simplicidade aos seus hóspedes: «Talvez vos questioneis sobre como se realizam as coisas junto do Papa; vereis, é como em toda a parte».

Durante a conversa um dos secretários entra para entregar um documento e Paulo VI, que depois de lhe dar uma vista de olhos, fala dele aos três convidados: é o texto definitivo da declaração conjunta entre as Igrejas de Roma e Constantinopla sobre a «eliminação da memória» das excomunhões feitas em 1054 entre as duas sedes. O Papa – escreve ainda o teólogo francês – «diz-nos que será proclamado solenemente terça-feira». E a 7 de Dezembro, simultaneamente, em São Pedro e no "Phanar" são lidos, com o texto conjunto, um breve pontifício e um "tòmos" patriarcal.

Aquela terça-feira é um dia deveras histórico, denso de acontecimentos e de sinais. Na última assembleia pública do Vaticano II, antes da missa, sucedem-se as votações finais, que aprovam quase em unanimidade os últimos quatro documentos conciliares: os três decretos sobre a liberdade religiosa, sobre as missões, sobre os sacerdotes, e a constituição pastoral sobre a Igreja no mundo contemporâneo. Lêem-se depois a declaração conjunta das duas Igrejas definidas «irmãs» e o breve papal: Paulo VI entrega-o com um abraço ao enviado do patriarca Atenágoras, o qual leva depois ao túmulo de S. Leão IX, bispo de Roma na época do cisma, nove rosas para recordar assim os nove séculos de separação.

A homilia que Montini pronuncia a 7 de dezembro é um dos seus textos mais bonitos e inspirados, e concentra a essência do concílio: «Talvez nunca como nesta ocasião a Igreja sentiu a necessidade de conhecer, aproximar, compreender, penetrar, servir, evangelizar a sociedade circunvizinha, e de a captar, quase de a seguir na sua rápida e contínua mudança». E ainda: «A religião do Deus que se fez Homem encontrou-se com a religião (porque disto se trata) do homem que se faz Deus. Que aconteceu? Um confronto, uma luta, um anátema? Podia ser; mas não aconteceu. A antiga história do samaritano foi o paradigma da espiritualidade do Concílio. Espalhou-se totalmente nele uma simpatia imensa».

Naquele mesmo dia, com outro gesto significativo, o Papa assina o "motu proprio" com o qual reforma o antigo Santo Ofício.

E na festa da Imaculada, a 8 de dezembro, numa praça de São Pedro na qual brilha o sol, Paulo VI conclui o Vaticano II sublinhando na homilia que «para a Igreja católica ninguém é estrangeiro, ninguém é excluído, ninguém está distante».

«E nós, especialmente neste momento, em virtude do nosso universal mandato pastoral e apostólico, amamos a todos, a todos», dirá a seguir, acrescentando que as palavras cordiais da Igreja, que «não de despedida que afasta, mas de amizade que permanece»,
dirigem-se também a quem a desconhece, menospreza ou combate.

«Esta saudação universal, dirigimo-la também, finalmente, a vós os homens que não nos conheceis; homens que não nos compreendeis; homens que não nos considerais úteis, necessários e amigos; e também a vós os homens que, talvez pensando proceder bem, estais contra nós! Uma saudação sincera, uma saudação discreta, mas cheia de esperança; e hoje, acreditai, cheia de estima e de amor», declarou.

O documentário que apresentamos, "Vaticano II, imagens, testemunhos" (2006), realizado por Véronick Beaulieu, atravessa o período que medeia entre as origens do Concílio e a sua receção na Igreja, através de depoimentos de personalidades como o cardeal Roger Etchegaray e os padres Yves Congar e Marie-Dominique Chenu, peritos que integraram os trabalhos.

 

 




 

Texto: L'Osservatore Romano
Publicado em 05.12.2015

 

 

 
Imagem Concílio Vaticano II | D.R.
Na festa da Imaculada, a 8 de dezembro, numa praça de São Pedro na qual brilha o sol, Paulo VI conclui o Vaticano II sublinhando na homilia que «para a Igreja católica ninguém é estrangeiro, ninguém é excluído, ninguém está distante»
«Esta saudação universal, dirigimo-la também, finalmente, a vós os homens que não nos conheceis; homens que não nos compreendeis; homens que não nos considerais úteis, necessários e amigos; e também a vós os homens que, talvez pensando proceder bem, estais contra nós! Uma saudação sincera, uma saudação discreta, mas cheia de esperança; e hoje, acreditai, cheia de estima e de amor»
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos