Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Sociedade diz que valoriza muito as artes mas normalmente «é como enfeite»

Sociedade diz que valoriza muito as artes mas normalmente «é como enfeite»

Imagem jordygraph/Bigstock.com

«Não sei até que ponto os políticos que decidem têm consciência do poder absolutamente transformador da arte», considera Maria Helena Vieira, do Departamento de Teoria da Educação, Educação Artística e Física da Universidade do Minho.

A perspetiva da docente foi partilhada na intervenção que proferiu este sábado durante a 13.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura, que debateu, em Fátima, o tema "'Out of the box': A relação dos jovens com a Cultura".

Na sua intervenção, que apresentamos na íntegra em vídeo, a investigadora falou do «paradoxo de uma sociedade que diz valorizar muito as artes mas normalmente, como diz Adélia Prado, é como enfeite».

Maria Helena Vieira defende que «a escola pública tem um papel fundamental e deveria, obrigatoriamente, incluir essas áreas de formação, numa perspetiva de literacia, que é uma ferramenta que cada um poderá usar como entender melhor».

«A arte não serve para nada, a não ser para sentirmos o mundo de outra maneira; não serve para enriquecer, não serve para competir, serve para estarmos uns com os outros e para termos consciência do que somos», acentuou.

A música é a possibilidade de «nascer de novo», frisou, depois de aludir às palavras de Jesus dirigidas a Nicodemos: «Despe-nos das palavras, das rotinas, dos preconceitos e abre-nos uma porta dos sentidos que muitas vezes não é suficientemente valorizada ou é obstruída pelos ruídos do dia a dia».

«A música é uma possibilidade de sairmos da caixa do nosso próprio corpo, não devendo, porém, negá-lo», assinalou.

De acordo com um estudo recente, o período desde o nascimento até aos nove anos é a «fase prioritária» em que os educadores podem intervir para «manter a aptidão musical no máximo», mas em Portugal nem todas as crianças têm acesso à formação no domínio da música.

O percurso de formação musical «é muito pessoal, é quase um terreno sagrado, no qual não se pode dizer "é por aqui", devendo-se antes fornecer a linguagem e a gramática, o que muitas vezes leva anos», para mais tarde se poder «saborear noutros patamares».









 

SNPC
Publicado em 05.06.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos