Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Sob a crosta dos rumores

Sob a crosta dos rumores

Imagem Hunter Bliss/Bigstock.com

Recordo um filme de Manoel de Oliveira, o mestre do cinema da palavra. O filme intitula-se “O convento”, e é um grande fresco das questões centrais da arte de Oliveira: o destino do ser humano, a culpa e a redenção, o amor (será possível o amor? – pergunta-se o realizador), o sofrimento e a graça.

No filme há um diálogo, a dada altura, sobre a inquietação vivida por uma das personagens: «O que é que tem?». Ela, num primeiro momento, fica calada; depois responde: «Tenho nostalgia de Deus».

Verdadeiramente a ausência de Deus não existe. Mesmo quando o ambiente cultural parece dominado pela distância ou pela indiferença em relação à questão de Deus, é importante dizer que as coisas não são exatamente assim.

Deus permanece uma questão, tanto para quem crê como para os não crentes. Há sempre, em cada coração humano, uma espécie de nostalgia, uma abertura, uma disponibilidade para a vida do espírito.

Devemos aprender, talvez, a ler melhor a cultura contemporânea nas suas turbulências e obsessões. Devemos escutar, talvez, sob a crosta dos rumores ensurdecedores, os passos de Deus que sem cessar anda à nossa procura. A impressão digital de Deus está tatuada no coração do ser humano.



 

José Tolentino Mendonça
In "Avvenire"
Trad.: Rui Jorge Martins
Publicado em 06.01.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos