Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«São principalmente as mulheres a transmitir a fé», diz papa, que pede aos católicos para deixarem de ser tímidos e envergonhados

Imagem Papa Francisco antes da oração do Angelus | Vaticano, 25.1.2014 | AP Photo/L'Osservatore Romano, Pool | D.R.

«São principalmente as mulheres a transmitir a fé», diz papa, que pede aos católicos para deixarem de ser tímidos e envergonhados

O papa Francisco realçou hoje, no Vaticano, que a fé «é um dom do Espírito Santo» que passa através do «belo trabalho das mães e das avós», bem como de outras mulheres, parentes ou que não pertencem à família.

«Porque é que são principalmente as mulheres a transmitir a fé? Simplesmente porque aquela que nos trouxe Jesus é uma mulher. É o caminho escolhido por Jesus. Ele quis ter uma mãe; também o dom da fé passa pelas mulheres, como Jesus por Maria», salientou.

Na missa a que presidiu, o papa acentuou também que «uma coisa é transmitir a fé e outra é ensinar as coisas da fé»: «A fé é um dom. A fé não se pode estudar. Estudam-se as coisas da fé, sim, para a compreender melhor, mas com o estudo tu nunca chegas à fé», porque esta é «um presente que está para além de toda a preparação».

«Todos nós recebemos o dom da fé. Devemos protegê-lo para que, pelo menos, não enfraqueça, para que continue a ser forte com o poder do Espírito Santo», afirmou.

A fé, prosseguiu Francisco, deve ser defendida diariamente: «Se não temos este cuidado, a cada dia, de reavivar este presente de Deus que é a fé, a fé enfraquece» e resume-se a um fenómeno cultural sem qualquer consequência.

A esterilidade da fé também se manifesta quando não é mais do que um «conhecimento»: «“Sim, eu conheço bem todas as coisas da fé, conheço bem o catecismo”. Mas como vives a tua fé? E esta é a importância de reavivar a cada dia este dom, este presente, de fazê-lo vivo».

Francisco alertou também para o perigo de se ser cristão inibido: «Deus não nos deu um espírito de timidez. O espírito de timidez vai contra o dom da fé, não deixa que cresça, que avance, que seja grande», o mesmo se passando com quem se envergonha de crer em Deus.

«Não. Esta não é a fé: nem timidez nem vergonha. Mas então o que é? É um espírito de força, de caridade e de prudência. Esta é a fé», vincou.

Como se aplica o espírito de prudência? «É saber que nós não podemos fazer tudo aquilo que queremos»; significa procurar «a estrada, o caminho, os modos» para seguir em frente com a fé, explicou.

«Peçamos ao Senhor a graça de ter uma fé sincera, uma fé que não se negoceia segundo as oportunidades que chegam. Uma fé que cada dia procuro reavivar ou, pelo menos, peço ao Espírito Santo que a reavive e assim dê fruto grande», concluiu Francisco.

 

Sergio Centofanti / Rádio Vaticano
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Publicado em 25.01.2015

 

 
Imagem Papa Francisco antes da oração do Angelus | Vaticano, 25.1.2014 | AP Photo/L'Osservatore Romano, Pool | D.R.
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos