Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

S. José, homem de silêncio e trabalho que não toma nada para si, diz papa

S. José, homem de silêncio e trabalho que não toma nada para si, diz papa

Imagem "O sonho de S. José" (det.) | Georges de la Tour | Séc. XVII, 1.ª metade | Museu das Belas-Artes, Nantes, França

S. José, que sabe «como caminhar no escuro», «como se escuta a voz de Deus» e como se «avança em silêncio», continua a ensinar o ser humano quando atravessa problemas e as angústias, afirmou hoje o papa, no Vaticano.

As palavras de Francisco na missa a que presidiu foram baseadas no Evangelho proclamado nas celebrações desta segunda-feira (Mateus 1, 18-25), que narra a aparição do anjo ao pai adotivo de Jesus, depois da sua desconfiança diante da gravidez de Maria.

O papa evocou as prováveis emoções de José quando na mãe de Jesus começaram a ser visíveis os sinais da maternidade, após ter voltado da casa da prima Isabel, a quem ajudou no nascimento de João Batista.

Foram «dúvidas», «dor» e «sofrimento» que S. José experimentou, ao mesmo tempo que começaram a murmurar «as boateiras» da região, e por isso decide deixar Maria, não a acusando publicamente, até que o anjo lhe explica que o Menino gerado nela vem «do Espírito Santo».

José «não procurou amigos que o confortassem, nem foi a um psiquiatra para que interpretasse o sonho; não, acreditou» e «tomou a situação nas suas mãos, «encarregando-se de uma paternidade que não era sua».

Por isso José «levou por diante a paternidade com aquilo que significa: não só sustentar Maria e o Menino, mas também fazer crescer o Menino, ensinar-lhe a profissão, levá-lo à maturidade de homem», e isto «sem dizer uma palavra. No Evangelho não há qualquer palavra dita por José. O homem do silêncio, da obediência silenciosa».

O «silêncio» e o «trabalho» de José marcaram a sua vida: «Deste homem que se encarregou da paternidade e do mistério diz-se que era a sombra do Pai, a sombra de Deus Pai».

«E se Jesus homem aprendeu a dizer “papá”, “pai”, ao seu Pai que conhecia como Deus, aprendeu-o da vida, do testemunho de José: o homem que guarda, o homem que faz crescer, o homem que leva por diante cada paternidade e cada mistério, mas não fica com nada para si», apontou Francisco.



 

Giada Aquilino
In "Vatican News"
Trad. / edição: SNPC
Publicado em 18.12.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos