Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Santo António: Espiritualidade, cultura, solidariedade

«Muitas vezes as pessoas identificam mais António como o santo popularucho, casamenteiro, milagreiro, esquecendo-se de que ele foi, provavelmente, o maior intelectual português, que nos deixou um património escrito, particularmente nos seus sermões.»

É nestes termos que o reitor da igreja de Santo António, em Lisboa, Fr. Francisco Sales, se refere ao doutor da Igreja, acrescentando que «foi mais por isso que a sua fama se espalhou, não tanto pelos seus milagres, mas pela sua sabedoria e pelo facto de ter sido um grande orador».

Em entrevista à Agência Ecclesia, o religioso franciscano falou da trezena preparatória, treze dias de oração e atividades culturais, que decorrem entre os dias 1 e 13 de junho, data da morte do padroeiro secundário de Portugal e principal de Lisboa.

A igreja de Santo António é propriedade da autarquia, e por isso «o grande juiz das festas é o próprio presidente da Câmara», refere o Fr. Sales, salientando que a Igreja, o museu homónimo e a empresa municipal responsável pela cultura têm «trabalhado muito em colaboração», havendo «uma boa relação».

O responsável realça a importância de fazer habitar dentro da igreja os espetáculos que são apropriados ao espaço: «É uma forma de pôr a dimensão religiosa dentro da vida. Ao longo da história pôs-se a religião muito fora da vida completa».

«Este ano optou-se por um programa muito mais voltado para o fado, com grandes nomes como a Mafalda Arnauth, Lenita Gentil, António Chainho com a Marta Dias», assinalou o religioso, acentuando que «há fados religiosos lindíssimos» e que o género musical «leva à interioridade».

A igreja de Santo António e o museu homónimo, ao lado - e ambos a poucos metros da sé - tornam-se nestes dias «um centro de cultura», o que «também é uma forma de preparar a festa, para não ser só as sardinhas e os bailaricos, mas também com uma dimensão cultural mais erudita».

A Academia de Amadores de Música, Márcia, Maria Emília, Diana Vilarinho, Coro do Tejo, Mur Mur, André e Bruno Santos foram alguns dos artistas que desde o dia 1 atuaram na igreja de Santo António. Hoje, 11 de junho, às 19h00, ouvir-se-á Mafalda Arnauth e na terça-feira, à mesma hora, Ana Free dá um concerto no Museu de Lisboa. Sempre com entrada livre, sujeita à lotação dos espaços.

A programação abrangeu iniciativas para crianças e adultos, como "As viagens de Santo António", "As profissões do tempo de Santo António" e "Santo António no livro infantil", além de uma visita orientada ao museu, que inaugura hoje, às 17h00, a exposição "A procissão de Santo António em Lisboa".

Trata-se de uma mostra com mais de 300 peças de figurado de Barcelos dos Irmãos Baraça. Patente até 30 de setembro, pode ser visitada de segunda a domingo, das 10h00 às 18h00, com entrada livre.

O Fr. Francisco Sales salienta que o fruto das vendas dos objetos religiosos «é sempre para os pobres», que a igreja ajuda nomeadamente com a distribuição de alimentos e vestuário.

«Por exemplo, o resultado da venda do pãozinho de Santo António, que é tão tradicional e que se vende aos milhares, particularmente por ocasião da festa, mas que se vende todo o ano, é para a Obra da Imaculada Conceição em Santo António», vocacionada para a assistência às crianças e que já existe há 70 anos, destacou ao jornalista Henrique Matos.

Disse Santo António: «Quem está cheio do Espírito Santo fala várias línguas. As várias línguas são os vários testemunhos sobre Cristo, como a humildade, a pobreza, a paciência e a obediência; falamo-las, quando mostramos aos outros estas virtudes na nossa vida. A linguagem é viva, quando falam as obras. Cessem, portanto, as palavras e falem as obras. De palavras estamos cheios, mas de obras vazios; por este motivo nos amaldiçoa o Senhor, como amaldiçoou a figueira em que não encontrou fruto, mas somente folhas. Diz São Gregório: "Há uma norma para o pregador: que faça aquilo que prega". Em vão pregará os ensinamentos da lei, se destrói a doutrina com as obras».









 

SNPC
Vídeo: Agência Ecclesia
Imagem: "Procissão de Santo António" (det.) | Irmãos Baraça | D.R.
Publicado em 12.06.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos