Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

“Salvador do Mundo”, de Leonardo da Vinci, é a pintura mais cara de sempre

“Salvador do Mundo”, de Leonardo da Vinci, é a pintura mais cara de sempre

Imagem D.R.

A pintura representando Jesus Cristo como “Salvator Mundi” (“Salvador do Mundo”), de Leonardo da Vinci, tornou-se esta quarta-feira a mais cara de sempre ao ser vendida através de leilão, em Nova Iorque, por 450 milhões de dólares (382 milhões de euros).

O quadro de 500 anos, considerado «o último Leonardo» em mãos privadas (há outras pinturas cuja atribuição é controversa), foi vendido pela casa leiloeira Christie’s, tendo mudado de mãos após uma batalha entre três licitadores que disputaram a obra, por telefone, durante cerca de 20 minutos.

Vendida pelo russo Dmitry Rybolovlev, dono do clube de futebol AS Mónaco, que a comprou por 127 milhões de dólares, a pintura tinha sido transacionada pela concorrente Sotheby’s por 45 milhões de dólares em 1958, quando ainda não se conferia a autoria ao pintor do Renascimento (1452-1519).

Depois dessa data, Yves Bouvier, antigo conselheiro para as artes de Rybolovlev, com quem se incompatibilizou e tem um diferendo judicial em curso, comprou o quadro em 2013 por menos 50 milhões de dólares.

Com um orbe (globo) de cristal apoiado na mão esquerda e a mão direita erguida em sinal de bênção, o rosto de Cristo, pintado cerca do ano 1500, está representado num quadro com 67,5 cm de altura, que pertence a partir de agora a um comprador que quer manter o anonimato e de quem se desconhece até a região de origem.

O quadro, surpreendentemente proposto numa venda de arte contemporânea, foi considerado perdido até 2005, tendo sido publicamente exposto em Londres no ano de 2011, após um exaustivo trabalho de restauro.

A Christie’s considerou a pintura, que começou a ser licitada a partir dos 70 milhões de dólares, como «a maior descoberta do século XXI», ainda que alguns especialistas questionem a autoria atribuída a Leonardo da Vinci.

«É o zénite da minha carreira como leiloeiro. Nunca mais haverá outra pintura que venderei por mais do que esta pintura esta noite», declarou o leiloeiro, Jussi Pylkkanen, sublinhando que a transação foi para ele o «derradeiro privilégio».

“Salvator Mundi” subiu ao topo das 12 pinturas vendidas por mais de 100 milhões de dólares em leilão, pulverizando “Les femmes d’Alger (version ‘O’)”, de Pablo Picasso, que atingiu 179,3 milhões de dólares em maio de 2015. Os 450 milhões de dólares incluem 50 milhões de taxas e comissões.

Estima-se que o preço mais alto pago por uma peça de arte foi de 300 milhões de dólares (253 milhões de euros), pelo quadro "Interchange", de Willem de Kooning, vendido em setembro de 2015.









 

SNPC
Com agências
Publicado em 16.11.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos