Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Romaria: Nossa Senhora de Aires, uma das peregrinações mais marcantes do Alentejo

O santuário de Nossa Senhora de Aires, considerado o maior templo cristão do sul de Portugal, recebe entre hoje e segunda-feira uma das romarias mais importantes do Alentejo, que este ano tem como intenção principal as obras de restauro.

Situado numa zona rural, em local isolado, numa planície que se estende entre Évora e a serra, a cerca de dois quilómetros do centro histórico da vila de Viana do Alentejo, o santuário está junto a um importante ponto de confluência da estrada romana de Ebora (Évora) e Pax Julia (Beja).

Nas imediações, existiam vestígios romanos e visigóticos e alguns deles foram incorporados na construção da igreja, como é o caso das duas aras, com inscrições em latim, integradas nos pilares do muro do adro.

O culto local a Nossa Senhora encontra-se associado a várias lendas, constando uma delas numa inscrição na portada da igreja. É um texto em latim que relata que, após a expulsão dos mouros destas terras, um lavrador arava o campo e encontrou dentro de um pote de barro uma imagem que, segundo a tradição, é a mesma que se encontra no altar.



Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R


Frei Agostinho de Santa Maria, em Santuário Mariano (1718), conta que a Villa de Viana Alem Tejo é de fundação tão antiga que se atribui aos celtas o seu povoamento, alguns anos antes de Cristo. Com a ocupação dos mouros, veio a ser destruída e só foi povoada no reinado de D. Dinis, pelo ano de 1312.

Voltando ao santuário, frei Agostinho diz que «Nossa Senhora de Ayres» era muito venerada e concorrida pelos povos de «Alem Tejo» e que se chegava a juntar mais de doze mil pessoas.

Em 1748, verificou-se em Évora uma enorme epidemia, pelo que os comerciantes locais prometeram à Virgem uma festividade se a peste desaparecesse. Atendida a prece, foram organizados festejos durante três dias, em honra de Nossa Senhora. As festas continuaram a ser celebradas anualmente com bastante afluência de devotos, não só de Évora, mas também dos povoados vizinhos.

A ermida quinhentista deu lugar a uma nova igreja que foi dedicada em 1760. Com a conclusão das obras, em 1804, realizou-se a sagração do santuário.



Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R.


Devido à grande afluência de peregrinos e de forasteiros, o Marquês de Pombal, a pedido do Senado de Viana do Alentejo, em 1751, concedeu o alvará que declarava o mercado, realizado junto ao santuário, como feira franca.

O portal de entrada da igreja, datado de 1755, é uma elaborada peça rococó, com decoração esculpida em elementos fitomórficos e enquadra uma dedicatória em latim a Nossa Senhora.

Na sua composição interior, destaca-se o altar de talha dourada, as pinturas no teto e uma sala anexa – Sala dos Milagres. A imagem venerada é uma Pietá em pedra de Ançã, policromada, do século XV.

Existe no santuário grande número de imagens, que datam dos séculos XVI a XIX, sendo, algumas das mais antigas, provenientes da primitiva construção. A fé popular encontra-se comprovada nas paredes totalmente revestidas de ex-votos, o que constitui um dos mais curiosos museus de arte popular do país.



Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R.


Do conjunto fazem parte uma antiga hospedaria, edifício de corpo longitudinal, de um só piso, onde se alojavam o sacristão e o guarda. Aí se conservavam as esmolas de peregrinos e algumas alfaias religiosas.

A principal festividade em honra de Nossa Senhora de Aires, em setembro, consiste nas celebrações religiosas, nas quais se inclui a habitual procissão em redor do santuário.

Realizam-se nesta data várias atividades, como a feira, com origem no alvará de 1751, exposições, espetáculos e provas desportivas. São as conhecidas festas do concelho de Viana do Alentejo.

A romaria a cavalo, tradição que esteve interrompida durante mais de setenta anos, foi retomada em 2001. Todos os meses de setembro, um conjunto de lavradores ia ao santuário, atravessando aquela que era a antiga canada real. Passando por quintas e estradas de terra batida, iam benzer os animais durante a procissão e pedir boas colheitas para a agricultura a Nossa Senhora de Aires, também padroeira dos animais.

Atualmente, realiza-se no mês de abril, com romeiros que se deslocam da igreja de Nossa Senhora da Viagem, na Moita, até este santuário. Esta peregrinação percorre cerca de cento e vinte quilómetros, seguindo por esse antigo caminho, a canada real, também conhecido pela estrada dos espanhóis.



Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R.

Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R.

Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R.

Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R.

Imagem Santuário de Nossa Senhora de Aires | Viana do Alentejo | D.R.

 

Edição a partir de texto de Maria do Rosário Barardo
In Santuários de Portugal – Caminhos de fé, ed. Paulinas
Imagem: D.R.
Publicado em 21.09.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos