Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Que devemos nós aos livros?

Imagem O livro (det.) | Marin Gherasim | 1987 | D.R.

Que devemos nós aos livros?

Se é verdade que aos livros devemos conhecimento e paixão, a memória do que existiu e do que está por chegar, o plural mais amplo e o singular mais ardente, essa combinação inesquecivelmente minuciosa de palavra e silêncio, de realidade e imaginação.

Se é verdade que aos livros devemos o microscópio e o telescópio, o remo e a âncora, o distante e o incrivelmente próximo, a atenção ao ínfimo e o espanto face ao imprevisível infinito.

Se é verdade que aos livros devemos paisagens, passagens, viagens em velhas naus e em sofisticadas máquinas do futuro, voltas ao mundo e dentro do nosso quarto, inquirições e confidências, verdades gritadas nos telhados ou, em segredo, confiadas a um coração.

Se é verdade que aos livros devemos os nossos autorretratos mais certeiros, a irrupção por uma sala de espelhos em intimidade, múltiplas janelas que depois descobrimos que nos pertencem e descidas assistidas a profundidades onde, não raro pela primeira vez, acolhemos a nossa própria voz.

Se é verdade que aos livros devemos alegrias tão diversas: manhãs esplêndidas carregadas de infância; passeios de bicicleta pela costa; o tempo esquecido num jardim; trocas inocentes que mais se parecem a um contrabando; páginas molhadas com lágrimas que nos consolam; o fulgor de uma ideia que, de repente, nos acelera o passo; pequenas trepidações e abalos irremediáveis; milhões de coisas que nunca tínhamos pensado; apagões tão necessários como vislumbres ou vice-versa.

Se é verdade que aos livros devemos a interrogação como instrumento, não só de cálculo, mas também de conduta.

Se é verdade que aos livros devemos o emaravilhamento da busca e da descoberta, que muitas vezes nos surgem como um só.

Se isso é verdade, aos livros devemos nunca menos do que vida!

 

José Tolentino Mendonça
In "Paulinas"
Publicado em 22.04.2016

 

 
Imagem O livro | Marin Gherasim | 1987 | D.R.
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos