Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Quanto mais necessitados estamos, mais Deus se enche de misericórdia, diz papa, que alerta para ilusão da liberdade

Imagem Papa Francisco | Praça de S. Pedro, Vaticano | 10.9.2016 | D.R.

Quanto mais necessitados estamos, mais Deus se enche de misericórdia, diz papa, que alerta para ilusão da liberdade

«Quanto mais necessitados estamos, mais o olhar de Deus sobre nós se enche de misericórdia», afirmou hoje o papa, na audiência jubilar que decorreu no Vaticano, no contexto do Ano da Misericórdia.

Aos cerca de 30 mil fiéis presentes na Praça de S. Pedro, o papa sublinhou que a fé ajuda a ter outro olhar sobre as dificuldades: «É verdade que a vida nos coloca à prova e por vezes sofremos por isso. Contudo, nesses momentos somos convidados a olhar Jesus crucificado que sofre connosco e por nós, como prova certa de que Deus não nos abandona».

«Nunca esqueçamos (...) que nas angústias e nas perseguições, como nas dores do dia a dia somos sempre libertados pela mão misericordiosa de Deus que nos eleva a si e nos conduz a uma vida nova», acentuou Francisco, que baseou a sua meditação na primeira Carta de Pedro (1, 18-21).

O amor de Deus é ilimitado: «Podemos descobrir sinais sempre novos que indicam a sua atenção» em relação a nós e sobretudo a sua vontade de chegar até nós e de nos preceder. Toda a nossa vida, ainda que marcada pela fragilidade do pecado, é colocada sob o olhar de Deus que nos ama».

«Deus tem uma grande ternura, um grande amor pelos mais pequenos, pelos mais frágeis, pelos descartados da sociedade», salientou.

Para Francisco, a palavra "redenção" é hoje «pouco usada, e todavia é fundamental porque indica a mais radical libertação que Deus pode realizar» por toda a humanidade e por toda a criação.

«Parece que o homem de hoje deixou de gostar de pensar em ser libertado e salvo por uma intervenção de Deus; ilude-se, com efeito, com a sua própria liberdade como força para obter tudo. Vangloria-se até disso», assinalou.

Porém, «na realidade não é assim: quantas ilusões são vendidas sob o pretexto da liberdade e quantas novas escravidões são criadas nos nossos dias em nome de uma falsa liberdade. Precisamos que Deus nos liberte de toda a forma de indiferença, de egoísmo e de autossuficiência».

«Tantos escravos. "Eu faço isto porque quero fazê-lo, drogo-me porque me dá prazer, sou livre, eu faço aqueloutro". São escravos, tornam-se escravos em nome da liberdade. Todos nós vimos pessoas assim que acabam por terra», apontou Francisco.

No fim da audiência, o papa saudou o Serviço Nacional de Proteção Civil de Itália, que deveria estar presente mas que anulou a participação para continuar as operações de socorro e assistência às populações atingidas pelo terramoto de 24 de agosto: «Agradeço-lhes pela dedicação e a generosa ajuda oferecida nestes dias. Obrigado irmãos e irmãs».

 




 

Rui Jorge Martins
Com Agências
Publicado em 10.09.2016

 

 
Imagem Papa Francisco | Praça de S. Pedro, Vaticano | 10.9.2016 | D.R.
Quantas ilusões são vendidas sob o pretexto da liberdade e quantas novas escravidões são criadas nos nossos dias em nome de uma falsa liberdade. Precisamos que Deus nos liberte de toda a forma de indiferença, de egoísmo e de autossuficiência
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos