Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Preparar o Natal com Arte: A dúvida

Preparar o Natal com Arte: A dúvida

Imagem "A dúvida de S. José" | Séc. XIV | Museu de Cluny - Museu Nacional da Idade Média, França | © RMN-Grand Palais (Musée de Cluny - Musée National du Moyen-Âge) / Jean Gilles Berizzi

A proposta de hoje no itinerário espiritual e artístico para a Natividade é uma cena tocante que mostra a atitude de José perante a gravidez de Maria. A dúvida do pai adotivo de Jesus é o momento que precede o anúncio a Jesus no Evangelho segundo Mateus.

Ainda que raras, as representações da dúvida de S. José são essenciais, dado que ecoam na fé de todos os cristãos. Para a humanidade da Idade Média, como para José, o interesse da dúvida encontra-se na sua dimensão transitória para o regresso à fé. Com a chegada do anjo num sonho, José deixa de duvidar da honestidade de Maria e coloca a sua confiança em Deus.

Esculpido em marfim, esta parte de um díptico do séc. XIV apresenta a Virgem, à esquerda, cuja barriga arredondada deixa adivinhar que está grávida, enquanto que José, à direita, pousa a mão no ventre de Maria, como que para se convencer de que esta gravidez divina é bem real.

A cena evoca o gesto realizado por Isabel, a prima de Maria, aquando da visitação do anjo. Notemos igualmente o movimento da cabeça de José, que acentua o momento de dúvida, ou, em todo o caso, de questionamento.

A humanidade de José toma toda a sua amplitude neste instante em que, apesar do espanto diante de tal situação, apesar das dúvidas que ela pode geral, surge como aquele que, humildemente, põe a sua confiança em Deus. Em cima do casal, Deus estende para a sua serva dois dedos protetores num gesto de bênção.

 

Excerto bíblico

Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava desposada com José; antes de coabitarem, notou-se que tinha concebido pelo poder do Espírito Santo. 

José, seu esposo, que era um homem justo e não queria difamá-la, resolveu deixá-la secretamente. Andando ele a pensar nisto, eis que o anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: «José, filho de David, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que ela concebeu é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual darás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados.»

Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito pelo profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho; e hão-de chamá-lo Emanuel, que quer dizer: Deus connosco. 

Despertando do sono, José fez como lhe ordenou o anjo do Senhor, e recebeu sua esposa. E, sem que antes a tivesse conhecido, ela deu à luz um filho, ao qual ele pôs o nome de Jesus. (Mateus 1, 18-25)



 

Caroline Becker
In "Narthex"
Trad.: SNPC
Publicado em 20.12.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos