Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Pobres não são «problema», mas «recurso» para viver «a essência do Evangelho», sublinha papa

Pobres não são «problema», mas «recurso» para viver «a essência do Evangelho», sublinha papa

Imagem Belish/Bigstock.com

O papa traçou hoje um plano de ação para as comunidades cristãs manifestarem sinais palpáveis de adesão ao primeiro Dia Mundial dos Pobres, a 19 de novembro, e lembrou que eles podem ser «mestres» que ajudam os crentes «a viver de maneira mais coerente a fé».

«Com a sua confiança e a disponibilidade para aceitar ajuda, mostram-nos, de forma sóbria e muitas vezes feliz, como é decisivo vivermos do essencial e abandonarmo-nos à providência do Pai», salienta Francisco ao concluir a mensagem de lançamento da iniciativa.

O Dia «pretende estimular, em primeiro lugar, os crentes, para que reajam à cultura do descarte e do desperdício, assumindo a cultura do encontro», tendo em conta que «os pobres não são um problema», mas «um recurso de que lançar mão para acolher e viver a essência do Evangelho».

Na semana anterior ao Dia Mundial dos Pobres, aponta Francisco, as paróquias, movimentos e organismos da Igreja devem empenhar-se «na criação de muitos momentos de encontro e amizade, de solidariedade e ajuda concreta»: «Será um momento propício para encontrar o Deus que buscamos».



«A sua mão estendida para nós é também um convite a sairmos das nossas certezas e comodidades e a reconhecermos o valor que a pobreza encerra em si mesma»



«Poderão ainda convidar os pobres e os voluntários para participarem, juntos, na Eucaristia deste domingo, de modo que, no domingo seguinte, a celebração da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo resulte ainda mais autêntica», assinala.

No documento, com várias passagens bíblicas que manifestam a predileção de Deus pelos carenciados, Francisco apela à proximidade e à conversão: «Não pensemos nos pobres apenas como destinatários duma boa obra de voluntariado, que se pratica uma vez por semana, ou, menos ainda, de gestos improvisados de boa vontade para pôr a consciência em paz»

«Estas experiências, embora válidas e úteis a fim de sensibilizar para as necessidades de tantos irmãos e para as injustiças que frequentemente são a sua causa, deveriam abrir a um verdadeiro encontro com os pobres e dar lugar a uma partilha que se torne estilo de vida», assinala.

Por isso os católicos são «chamados a estender a mão aos pobres, a encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão».



«Que este novo Dia Mundial se torne, pois, um forte apelo à nossa consciência crente, para ficarmos cada vez mais convictos de que partilhar com os pobres permite-nos compreender o Evangelho na sua verdade mais profunda»



«A sua mão estendida para nós é também um convite a sairmos das nossas certezas e comodidades e a reconhecermos o valor que a pobreza encerra em si mesma», acentua.

Francisco realça que «na base das múltiplas iniciativas concretas que se poderão realizar», a «oração» deve estar sempre presente, e recorda que «o Pai Nosso é a oração dos pobres».

A mensagem, ainda que dirigida em primeiro lugar aos católicos, quer chegar a todo o mundo: «Convido a Igreja inteira e os homens e mulheres de boa vontade a fixar o olhar, neste dia, em todos aqueles que estendem as suas mãos invocando ajuda e pedindo a nossa solidariedade».

Trata-se de um convite «dirigido a todos, independentemente da sua pertença religiosa, para que se abram à partilha com os pobres em todas as formas de solidariedade, como sinal concreto de fraternidade».

«Que este novo Dia Mundial se torne, pois, um forte apelo à nossa consciência crente, para ficarmos cada vez mais convictos de que partilhar com os pobres permite-nos compreender o Evangelho na sua verdade mais profunda», aponta.

O texto tem a data de 13 de junho, «memória de Santo António», e na versão em língua portuguesa acrescenta-se «de Lisboa», ao passo que nos outros idiomas o religioso franciscano é de Pádua, cidade onde morreu.



 

SNPC
Publicado em 13.06.2017

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos