Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Pedro Tamen: A vitória do sentido crítico

«Como editor, como poeta, como escritor, como intelectual ativo, Pedro Tamen é uma personalidade das mais marcantes do nosso tempo», considera Guilherme d’Oliveira Martins, a propósito da nova edição de “Retábulo das matérias – 1956-2013” (Imprensa Nacional, 2018, 1038 págs.).

Em texto publicado na mais recente edição do Jornal de Letras, o presidente do Grande Conselho / Conselho das Artes do Centro Nacional de Cultura recorda o percurso do poeta nascido no ano de 1934, em Lisboa.

«Vindo da revista “Anteu – Cadernos de Cultura” (1954), passaria pelo jornal “Encontro”, da Juventude Universitária Católica, onde seria chefe de redação (1955-57), dirigiu o Centro Cultural de Cinema e publicou o primeiro livro, “Poema para todos os dias” (1956), refere,

Conclui o curso de Direito e é incorporado pela primeira vez no Exército em 1957, mas é o ano seguinte que «vai significar uma mudança», desencadeada pela candidatura presidencial do general Humberto Delgado, pelo memorando do bispo do Porto a Salazar, que levaria D. António Ferreira Gomes ao exílio, e pelo início do pontificado de João XXIII.



«Era preciso abrir espaços, havia outros católicos de um setor mais técnico, como Adérito Sedas Nunes e Alfredo de Sousa, mas havia também jovens estudantes da greve de 1962, como Jorge Sampaio, Jorge Santos, Manuel de Lucerna e José Medeiros Ferreira, e havia ainda oposicionistas clássicos como Mário Soares e Francisco Salgado Zenha»



António Alçada Baptista transforma a Livraria Moraes «num centro de renovação política e religiosa», agregando Pedro Tamen como seu sócio, numa equipa composta por João Bénard da Costa, Nuno Bragança, Luís de Sousa Costa, Helena e Alberto Vaz da Silva.

É também nesse tempo que Tamen lança o Círculo de Poesia, onde publica “O sangue, a água e o vinho”, anima as coleções Círculo do Humanismo Cristão e “O tempo e o modo”, que dará título à revista, em 1963, assinala Guilherme d’Oliveira Martins.

É Pedro Tamen a formular o programa da publicação, de que foi editor: «A ação começa na consciência. A consciência, pela ação, insere-se no tempo. Assim, a consciência atenta e virtuosa procurará o modo de influir no tempo. Por isso, se a consciência for atenta e virtuosa, assim será o tempo e o modo».

Enquanto editora, a Moraes «afirma-se como pioneira na reflexão dos grandes temas do concílio Vaticano II», mas “O tempo e o modo” «não era, porém, uma revista de católicos»: «Haveria de seguir os passos de Emmanuel Mounier, que fizera em 1932 da revista “Esprit” um lugar de abertura e diálogo com não católicos».



«Contra a ideia de fatalismo do insucesso ou do atraso, foi o sentido crítico que venceu nas duas gerações – a da “Vida nova” e de “O tempo e o modo” com a dureza da denúncia e a aventura das propostas audaciosas»



«Era preciso abrir espaços, havia outros católicos de um setor mais técnico, como Adérito Sedas Nunes e Alfredo de Sousa, mas havia também jovens estudantes da greve de 1962, como Jorge Sampaio, Jorge Santos, Manuel de Lucerna e José Medeiros Ferreira, e havia ainda oposicionistas clássicos como Mário Soares e Francisco Salgado Zenha», assinala.

O texto evoca «os vencidos do catolicismo», enunciação de Ruy Belo de um dos seus poemas, para sustentar que estes «não foram vencidos no largo prazo, sendo símbolos vivos do que se pode designar como a “paixão crítica”».

Quando foi inventada a expressão «vencidos da vida», ligada à Geração de 70 do século XIX, «havia um misto de ironia e de revolta. Contra a ideia de fatalismo do insucesso ou do atraso, foi o sentido crítico que venceu nas duas gerações – a da “Vida nova” e de “O tempo e o modo” com a dureza da denúncia e a aventura das propostas audaciosas», conclui Guilherme d’Oliveira Martins.




















 

Rui Jorge Martins
Fonte: Jornal de Letras
Imagem: Pedro Tamen | António Pedro Ferreira | D.R.
Publicado em 20.09.2018

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos