Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Peço a todos os homens e mulheres da Europa que abram a porta do coração»: Francisco encontra-se com sobreviventes de Lampedusa

Imagem Vaticano, 1/10/2014 | REUTERS/Osservatore Romano

«Peço a todos os homens e mulheres da Europa que abram a porta do coração»: Francisco encontra-se com sobreviventes de Lampedusa

«Peço a todos os homens e mulheres da Europa que abram a porta do coração! Quero dizer que estou próximo de vós, rezo por vós, rezo para que as portas fechadas se abram.»

Estas foram algumas das palavras que o papa Francisco proferiu, com comoção, durante o encontro que ocorreu hoje no Vaticano com uma delegação de sobreviventes e familiares do naufrágio ocorrido há um ano, a 3 de outubro, perto da costa da ilha de Lampedusa, Itália, em que morreram 368 migrantes.

De acordo com o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, citado pelo portal noticioso do Vaticano, a delegação era composta por 37 eritreus, entre mais de 20 sobreviventes e familiares), provenientes de vários países europeus onde encontraram acolhimento, em muitos casos junto de familiares que já se encontravam no continente.

Outros sobreviventes vão unir-se nas próximas horas à delegação, por ocasião da evocação do acidente que terá lugar na ilha do Mar Mediterrâneo, esta sexta-feira.

Uma das pessoas presentes no encontro dirigiu ao papa algumas palavras em inglês, pedindo-lhe apoio, por exemplo para o reconhecimento de alguns dos corpos, enquanto outro membro da delegação agradeceu a Francisco a ajuda que tem prestado aos migrantes e refugiados.

FotoAP Photo/Andrew Medichini

«Sinto coisas que não se podem dizer porque não se encontram as palavras para dizê-lo. Tudo o que sofrestes contempla-se no silêncio, chora-se e procura-se a maneira de ser próximo», afirmou Francisco.

O papa prosseguiu: «Às vezes, quando parece que se chegou ao porto, acontecem coisas duríssimas. As portas estão fechadas e não se sabe para onde ir. Mas há muitas pessoas que têm o coração aberto para vós. A porta do coração é a mais importante nestes momentos».

FotoVaticano, 1/10/2014 | REUTERS/Osservatore Romano

Francisco, que cumprimentou pessoalmente todas as pessoas, recebeu de presente uma escultura em ferro representando uma garrafa no mar que no seu interior protege uma família.

Por estes dias foi apresentado em Itália um projeto-lei para que 3 de outubro seja reconhecido como o dia em memória das vítimas do mar.

FotoVaticano, 1/10/2014 | REUTERS/Osservatore Romano

 

Rui Jorge Martins
Fonte: News.va
Publicado em 01.10.2014

 

 
Imagem Vaticano, 1/10/2014 | REUTERS/Osservatore Romano
Às vezes, quando parece que se chegou ao porto, acontecem coisas duríssimas. As portas estão fechadas e não se sabe para onde ir. Mas há muitas pessoas que têm o coração aberto para vós. A porta do coração é a mais importante nestes momentos
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos